Total de visualizações de página

Contatos

Meu Blog é apenas uma forma de exibição,de contato indireto, que as pessoas que me acompanham podem ter comigo,saber mais sobre mim,sobre meu dia a dia,ver fotos,ver videos.
Este blog esta ativo desde 2010 e tem muitos videos,fotos e histórias postadas, as mensagens enviadas nas minhas postagens serão lidas e analisadas, não publico mensagens com informações pessoas como Email e telefone, também não publico mensagens com conteúdo ofensivo, as mensagens são moderadas por mim no intuito de promover sempre o bem estar e a privacidade dos meus leitores.

Amigos do blog

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Ciúmes

Ciúmes

Dessa vez quero falar de algumas situações que passei em que rolaram ciúmes, algumas engraçadas, outras nem tanto, mas todas bem interessantes.
Pra começar vamos falar do ciúme mais natural, logo quando comecei a minha vida como Sandra, frequentava muito a Boate Casa Grande, hoje ela esta até melhor, reformada e bonitinha, mas na época era um verdadeiro pulgueiro, mas apesar disso eu me sentia bem , um lugar onde eu era apenas mais uma, não era a travesti, ninguém ficava me encarando a menos que estivesse interessado em mim, os homens lá não tem medo de se expor, de chegar em cima de você e te cantar, por que todos os outros estão fazendo a mesma coisa, então ali é uma lugar onde posso ser 100% Sandra, por que mesmo na pista a gente não se solta 100 %, se expõe 100 %, mas isso não quer dizer que você seja você mesma, numa dessa idas a boate conheci um cara, ele era realmente lindo, corpo de modelo, olhos azuis, rostinho de bebê, pica deliciosa, era tudo de bom, me cantou e apesar de não ir pra boate pra procurar namoro e sim sexo, acabei cedendo a beleza dele, a boate em sim é um verdadeiro inferninho como minha amiga Leona descreveu, cheia de cantos escuros onde a putaria rola solto, como os caras estão acostumados na sua grande maioria a chegar e comer no lugar onde a pessoa estiver, já que a grande maioria das CDs que vão lá são os homens que dão uma fugidinha no sábado e coloca uma roupinha de mulher por que sabe que assim vão dar pra cacete naquele lugar, então o respeito também diminui, fica difícil não impossível, de você impor um limite ali, então se vc quer um lance mais intimo com alguém e não quer interferência, ou você aluga um quartinho, ou você procura um lugar bem discreto onde ninguém te veja ou simplesmente não faz nada e fica só de beijinho e abraço, o que não era o nosso caso, nem ele e nem eu queria ficar só de beijinho e abraço, tentamos ficar mais a vontade na escadaria, mas não deu certo, os caras ficavam me alisando, me puxando pra junto deles e ele ficava puto com aquilo “ po meu camarada, tira a mão porra, a mina ta comigo ”, eu achava engraçado a situação e deixava ele resolver, tentava ficar em outro canto, mas sempre tinha um pra querer me agarrar, ele tentou alugar um quartinho, a boate alugava uns quartinhos a preço de 10 reais, só tinha a cama e trinco na na porta, nem ventilador tinha e nem banheiro, mas eles informaram que não estavam mais alugando, até que fugimos para o terceiro andar da boate, nos dias de sábado fica fechado, por que ali funciona os quartinhos da terma, ali na escadaria, sem ninguém pra nos incomodar o sexo rolou gostoso, ele em baixo eu nos degraus de cima da escada, quase que de quatro, com uma das pernas levantadas e ele só socando no meu rabo, metia gostoso, tinha uma pica deliciosa, falava umas sacanagens no meu ouvido que me dava tesão, me chamava de gostosa, de puta, dizia que eu pertencia a ele agora e que só ia dar pra ele, mas o sexo acabou, bem na hora que o segurança nos viu lá em cima e nos mandou descer, ele grudou em mim a noite toda e eu achei aquilo um tédio, ia pra boate pra me divertir e diversão pra mim era dar o rabo, vias as meninas entrando e depois saindo toda desconjuntadas do Dark Room, ficava com inveja, mas fazer o que, estava sem graça de dar o fora nele, depois disso fiquei um bom tempo sem ir na boate, mas acabei voltando ao meu vicio quase três meses depois, pior que encontrei ele de novo, quando me viu grudou no pé, eu não dava conversa, mas ele vinha atrás,” po tu não lembra de mim, agente ficou um dia desses aqui, eu quero você de novo ”, ele nem lembrava meu nome , nesse dia ele estava sem camisa, mostrando a barriga tanquinho, o peito malhado, lisinho do jeito que eu gosto, as CDs ficavam, loucas mexendo com ele quando passava, até as travestis dando mole e mexendo, acabei cedendo novamente pra não perder pra elas, ficamos no segundo andar onde tem um espaço na penumbra iluminado apenas por uma TV onde rola um filme pornô, feita especialmente para os casais que querem namorar, mas mesmo ali os caras viam que ele estava metendo em mim discretamente, então chegavam junto querendo fuder também, ai ele se estressava, teve um negão que me pediu um cigarro e ficou conversando, mesmo com ele abraço comigo, morador de Costa Barros, eu ainda morava na Pavuna, éramos quase vizinhos, ele mandando  o cara procurar outra que aquela já estava acompanhada, mas ele dizia” calma ai irmão, to querendo tomar sua mina não, só achei ela maneira e to conversando sem segundas intenções ”, mas mesmo assim ele quase saiu na porrada com o negão, ai não perdi tempo, “ quer saber, vocês querem brigar, então briguem, eu to saindo fora “, e deixei os dois lá discutindo, o bonitinho ainda me cercou em alguns pontos da boate ,mas falei pra ele que tinha perdido a vontade e que não ia rolar, entrei no Dark Room e fui fazer o que queria quando fui pra boate, fuder e muito, sem compromisso, depois de fuder bastante fui pro segundo andar fumar um cigarro, esfriar o corpo que estava quente de tanto sexo, ai foi a vez do negão me abordar, “ po que cara babaca né, discutindo atoa, arrumou uma mina maneira que nem você e não sabe lidar com a situação, por que você é uma preta de responsa, os caras ficam te querendo, isso é normal aqui, nem sempre a gente tem uma preta dessa qualidade né ”, me ganhou na lábia, acabei ficando com ele, fomos pra um cantinho onde estava dando gostoso pra ele, ele dizia que queria namoro sério comigo, já que éramos vizinhos, mas não demorou muito pra um outro cara chegar em cima e ai foi tudo de novo, só que dessa vez era o negão que estava discutindo por que não queria que me tocasse, pensei ” quer saber, sirvo pra isso não, deixa eu ficar sozinho por que antes só do que má acompanhada ”, larguei o negão e voltei pra minha putaria até o dia clarear.

Num outro dia ali na boate eu entrei no Dark Room, como sempre estava lotado de homens na entrara, eles ficam ali por que dentro do Dark é muito escuro, entra tudo quanto é tipo de CD ali, das mais feias as mais jeitosinhas, a única forma de selecionar quem eles querem  pegar é essa e sempre que entro ali vem uma muvuca atrás de mim, tudo que fica na porta esperando algo de bom, nesse dia tinha um cara bonito, sem camisa, corpo gostoso, assim que entrei ele me segurou pelo braço  e me puxou de encontro ao seu corpo, “ vai la pra dentro não preta ,fica aqui comigo “, já me beijando pescoço, alisando meu corpo, com um pedido desses acabei cedendo e fiquei num love gostoso, claro que não foi só beijinho e abraço, abaixei ali mesmo e comecei a chupar a pica dele, depois levantei, ele botou meus peitinhos pra fora e começou a mamar, mas tinha um cara que não tirava a mão da minha bunda me puxando pro lado dele, me desequilibrando, ai não deu outra, começaram a discutir, por que a mina ta comigo, o outro dizia que ali ninguém era de ninguém e ele queria também, o outro dizia que queria mais não ia ter, já vinha a resposta dizendo que eu só estava com ele por que ele me agarrou , que ele era melhor, tinha carro e podia me levar pro motel, como se eu fosse sair dali com um dos dois, “ você é um merda, eu tenho carro, pago motel pra você gostosa ”, “ e dai que tu tem carro, eu to de moto, sou militar ”, “ fodasse, eu sou DJ ” e por ai foi, acabei saindo de fininho e deixei os dois discutindo, fui pro outro Dark Room e novamente me acabei nas picas que encontrei lá rsrsrs.

Na pista também rolava ciúmes, uma vez peguei um casal, não estava muito afim de fazer programa com eles, primeiro que eles não queriam ir pro motel, queriam fazer na rua, diziam que era um fetiche deles, pagaram até mais caro por isso, segundo por que meu instinto disse pra não ir, o cara era meio grosso e detesto pessoas grossas, mas a mulher com aquele jeitinho que só uma mulher sabe fazer, me convenceu, disse que ela sempre fazia as vontades dele, mas que dessa vez tinha convencido ele a fazer a dela, que era tranzar com uma travesti, ele me perguntou mais de 10 vezes se eu realmente tranzava com mulher, ” vou te pagar pra fuder com ela, nem precisa me tocar, então se não for fazer com ela fala logo que procuramos outra ”, ali na pista a única que curtia realmente mulher era eu, tinha até algumas que topavam sair com casal ,mas na hora H sempre davam um jeito de não tocar na mulher, fiquei com pena dela, por que sabia que se não fosse eu ela não conseguiria realizar a sua fantasia, então topei com uma condição, ao invés da gente parar na rua, iriamos pra um estacionamento onde eu estava acostumada a atender alguns clientes e eles toparam, chegando lá a mulher tirou completamente a roupa e eu também, ela passou pro banco de trás onde eu estava  e começamos a nos beijar, era uma mulher bonita de rosto, corpo interessante, estavam todos os dois meio alto de tanta cachaça, tinha cerveja, caipirinha,  e outras bebidas dentro do carro, logo eu passei a chupar seus seios, o cara então começou a querer coordenar foda, “ beija o pescoço dela, beija a boca, chupa a buceta ”, aquilo estava me irritando,  mas continuava fazendo o que meu tesão mandava e ela estava gostando cada vez mais, fiquei de quatro pra conseguir chupar sua buceta e ele enfiou o dedo no meu rabo dizendo que era grande, o que já estava fora do combinado, depois fui subindo, até voltar a beijar ela novamente  e passei a esfregar a pica em seu grelo que estava todo babado, o marido então como num surto resolveu sair do carro e ir até o porta malas pra pegar camisinha, eu claro que continuei seduzindo ela esperando ele voltar, ela fazia força pra minha pica entrar, rebolava bastante, quando o marido voltou, cismou que eu estava comendo ela sem camisinha, ai coisa ficou feia, ele deu um soco forte na mulher que pegou no ombro, “ porra mulher, tu ta maluca, dando pro viado sem camisinha, não sabe que essas porras são cheia de doenças, não pode ver uma pica grande que perde a linha ”, ela negando, dizendo que a gente não estava tranzando ainda, mas ele não escutava e dava mais porrada nela, eu fiquei puta com tudo aquilo e comecei a colocar minha roupa, ele abriu a porta do carro e me mandou descer, eu só olhei pra cara dele e respondi ” vou descer o cacete, você me pegou na pista e vai me levar de volta pra onde me pegou, não sou sua palhaça, não pedi pra estar aqui, foram você que fizeram questão de me pegar, ta puto fodasse, mas comigo tu vai agir como homem ”, ele então abaixou a bola, a mulher dele pegou a roupa pra se vestir, mas ele tomou da mão dela e disse, ” tu vai pelada pra casa pra aprender a me respeitar e nunca mais dar pra um viado sem camisinha, sem querer te ofender ta”,” não, você esta me ofendendo sim, mas não to nem ai pra você, me pagando e me deixando aonde me pegou, e de preferência, nunca mais me procurando, ta tudo certo, o resto é problema seu e da sua esposa ”, então ele me levou pra pista e eu sai do carro soltando fumaça  pelas ventas, mas depois achei isso até engraçado e acabou virando história aqui no meu blog, o pior é que depois de um mês mais ou menos, eles apareceram na pista e cismaram que tinham que sair comigo pra se redimir, o marido me pediu desculpa pela outra vez, disse que estava bêbado e que eu não tive culpa e queria mostrar que ele não era assim, mas dessa vez tinha um porem, só quem ia comer era ele e ia comer as duas, então topei, lá fomos nós, mesmo estacionamento, dessa vez ele foi mais ousado, saímos pra fora do carro com as portas abertas eu sentada no banco do carro ela em pé do lado de for com ele socando ela por trás enquanto ela me chupava, ela olhava pra minha cara e fazia umas caras de quem estava de saco cheio, “ já gozou amor? Então come ela um pouco ”  invertemos as posições, eu fiquei de pé dando pra ele, ela sentada de pernas abertas, enquanto eu chupava sua buceta, mas ele socava cada vez mais forte, parecia querer me mostrar que ele era o fodão, eu nem esquentava, com aquela pica pequena, por mais que ele socasse forte, nunca ia conseguir me fazer pedir arrego, mas ia me desequilibrando e aos poucos eu fui caindo por cima dela que aproveitou a situação e deitou abrindo as pernas pra mim encaixar, segurava meu pau levando em direção a sua buceta e dizia baixinho no meu ouvido, “ bota em mim vai, bota só um pouquinho que ele nem vai perceber ”, “ você ta louca quer levar outra surra ” e não meti, depois disso nunca mais vi aquele casal .

Outra situação na pista foi de uma vez em que uma travesti negra, linda pareceu por lá, a Chica, tinha um corpo muito bonito, bunda grande, seios também, chamava atenção, e pra mim era competição, eu estava reinando ali na pista como a preta preferida, tinha a Andreia que era uma negona muito alta e bonita, chamava muito atenção, mas sempre dava uma pausa da pista durante o ano pra poder trabalhar no barracão da escola de samba dela, quando voltou e me pegou lá, tentou competir comigo, mas não deu pra ela, uma vez ela me disse “ é perdi mesmo meu reinado, antigamente quando eles queriam uma preta só dava eu, agora tem você a mais algumas outras, ta difícil de competir ”, mas com a chagada da Chica, o meu reinado que estava abalado, mas eu sempre na minha, conhecia meus predicativos e sabia meu potencial, apenas deixei rolar, um belo dia estava eu e ela conversando , ao mesmo tempo que estávamos nos exibindo na pista a procura de um cliente, quando passou dois pretos, com aparência de seus 25 anos, chamaram ela pra conversar, eu continuei parada onde estava, mas ela me chamou, disse que eles queriam sair com a gente, cada um com uma, claro que topei, mesmo por que íamos ficar em quarto separados, o mais bonitnho já agarrou a Chica pela cintura,” essa é minha em, você fica com a outra ”, me chamando de feia na cara de pau, o outro concordou e seguimos pro motel, na portaria eles pagaram os quartos,  o que ficaria comigo pegou a chave primeiro e deu na mão dela, mas o amigo brigou dizendo que ele tinha que dar a chave na minha mão, por que aquela já era dele, a Chica foi subindo na frente e o que ia ficar comigo  subiu logo atrás, o outro pegou ele pela camisa, deu um puxão, quase jogou ele no chão, “ porra cara, já te avisei que essa é minha, fica com a tua ai ”, eu calada estava, calada continuei, pegamos um quarto do lado do outro, meu negão foi tomar uma banho e eu fiquei escutando a Chica cobrar o programa adiantado no outro quarto, o cara não tinha dinheiro o suficiente pra pagar o programa dela, já o meu me pagou assim que entramos no quarto sem precisar eu pedir, foi pro chuveiro e me chamou pra tomar banho com ele, começamos a brincar de baixo do chuveiro mesmo, ele era uma delicia, uma pica enorme e dura, me beijava o corpo todo sem pudor, me encostou na perde de costas pra ele e começou a me comer assim, mas o amigo começou a bater na porta da gente desesperado,” abre ai cara, preciso de dinheiro, amina não ta querendo me dar ” e espancava a porta, eu me sequei e deitei na cama de bunda bunda pro alto ,peladinha, ele olhou pra mim e disse” caralho nêga, que bunda é essa, meu deus, hoje vou me acabar nesse rabo ”, abriu a porta e o amigo entro,” po cara me da mais dinheiro ai, a mina disse que só vai me dar depois que eu pagar ", ele meteu a mão no bolso da calça , tirou uns trocados e deu pro outro, “ isso é tudo que eu tenho, se vira lá, o resto já paguei a minha ”, ele voltou pro quarto dela e agente voltou a fuder, ele veio por cima de mim, me beijou a nuca e foi beijando até chegar na minha bunda, depois enfiou acara no meio dela e sentia sua língua acariciando meu cusinho, sempre me elogiando, dizendo que eu era linda, muito gostosa, foi subindo novamente me beijando toda até a nuca e senti sua pica encostando na minha bunda, parecia saber o caminha por que foi sozinha em direção ao meu cu que já estava todo molhadinho do banho de língua que ganhei, ao poucos ele foi entrando, cada vez mais fundo, me comia com uma vontade que me dava um tesão louco, que preto gostoso na cama, podia não ser tão bonito quanto o outro, mas duvido que perdia pra ele na cama, logo o amigo voltou a bater na porta,” abre ai cara, deixa eu entrar ”, “ Caralho cara, to fudendo, me deixa em paz vai cuidar da sua preta que to cuidando da minha ”, “ porra a mulher foi embora e me deixou na pista, abre ai ”, de tanto insistir ele resolveu parar de me comer e abriu, o amigo entrou e explicou que ela achou que o dinheiro era pouco e se mandou, olhou pra minha bunda deitada na cama e disse,” caralho, que bunda é essa, porra vo ficar é por aqui mesmo “, na mesma hora eu me levantei e peguei minhas roupas, “ a mim você só vai comer se pagar querido ”,” mas eu já paguei sua amiga e nem comi, vou ficar aqui sim ”, “ pode ficar, mas vai ficar os dois, por que eu to caindo fora ”, o que estava comigo na mesma hora retrucou, “ não, que isso preta, me deixa aqui assim não ”, “ então bota seu amigo pra fora, ou ele ou eu, você escolhe ”, “  sinto muito irmão mas se vira, vai atrás dela, por que eu não vou perder essa preta por sua causa não ”, isso já empurrando ele pra fora, fechou a porta e pulou na cama , voltamos a fuder gostoso, ele era bom ,me comeu em tudo quanto é posição, até de cabeça pra baixo, me dominou completamente com seus carinhos e sua pegada forte, mas infelizmente o porteiro tocou o fim do termino do nosso tempo, eu achei estranho, não parecia que tinha passado uma hora, ou então estava tão bom que não vimos o tempo passar, mas como ele já tinha gozado e estava na segunda foda, então paramos, quando chegamos na portaria o amigo estava lá esperando, ele que pediu pro porteiro tocar, “ porra tu é um vacilão né, atrapalhou minha foda três vezes, porra a preta maneira pra caramba e com uma bunda maravilhosa e tu nem me deixou aproveitar direito ”, o migo respondeu, “ claro, eu não comi ninguém, fiquei na mão, por que você vai ficar se divertindo ” achei engraçado os dois, quando voltei pra pista encontrei a Chica puta da vida por que não tinha ganhado o dinheiro, fazer o que né, achou que tinha se dado bem, mas quem curtiu aquilo tudo que aconteceu foi eu.

Nas festas também rolava caso de ciúmes, uma vez chamamos um casal amigo nosso, eles por sua vez, chamaram um casal de amigo deles, nossas festas eram fechadas, só ia quem a gente convidava, mas como eles apareceram lá com o casal, não íamos barrar ninguém, o casal era tímido, ficaram na sala conversando e bebendo o tempo todo, enquanto a putaria mesmo rolava no quarto, minha esposa convidava eles pra irem lá brincar também, mas eles diziam que eram tímidos, mas depois de um papo descobrimos que era uma questão de ciúmes, a mulher não brincava por que o marido não deixa, e ele não brincava pra não abrir guarda pra ela brincar também, então Kelly convenceu ele a ir pro quarto com ela, a mulher deixou por que queria se divertir e se ele fosse ia abrir a guarda pra ela ir também, então depois de muito insistir ele foi, quando ele e kelly entraram no quarto, eu estava acabando de sair, estava fudendo com um cara, mas estava muito calor, depois do gozo fui tomar um banho pra me recompor, tomei meu banho e voltei pro quarto pra me arrumar passar um óleo cheiroso no corpo, kelly estava ajoelhada chupando a pica dele e Fabiano estava fotografando a sena, quando comecei a passar óleo no corpo, ele ficou olhando pra minha bunda, Fabiano percebendo a situação, praticamente me obrigou a entrar na brincadeira, Kelly disse que foi só eu encostar a mão nele que a pica dele ficou dura com pedra, e ela estava se matando pra  botar aquela pica de pé, percebendo o tesão que ele estava em mim, ela foi saindo aos poucos e deixando eu tomar conta da situação, mamei sua pica um pouco , depois me levante, apoiando as mãos na parede e oferecendo a bunda pra ele comer, o que ele fez sem  hesitar, segurava minha pica e me masturbava enquanto me comia, demostrando que também queria experimentar minha outra parte, a sorte dele foi que ele largou minha pica, por que assim que a Kelly saiu do quarto a mulher dele foi até lá pra ver com quem ele estava, quando ela viu que era comigo, entro no quarto feito bicho, agarrou ele pelo pescoço, quase levantou ele do chão,” seu viado, você disse pra mim que não gostava de travesti, agora eu te pego aqui grudado no rabo dela ”, a Kelly ouvindo isso ficou puta, eu sai do quarto e Kelly entrou, deu um esporro nela, dizendo que o viado que ela estava ofendendo  era o marido dela, e que ainda por cima ela estava faltando com o respeito ao Fabiano que era o dono da casa, fazendo um barraco lá, que roupa suja se lava em casa, Kelly fez ela pedir desculpa pra mim e pro Fabiano, ela explicou que antes deles irem a festa, ela conversou com ele, perguntou se ele curtia travesti e se tinha a possibilidade dele tranzar comigo lá, ele respondeu que não, que não sentia o menor tesão em travesti, ela confessou que tinha vontade de tranzar comigo, mas como ele não curtia ela ia ficar na dela e respeitar, mas quando viu ele comigo, ficou puta e acabou perdendo a linha, depois os ânimos esfriaram e a festa voltou ao ritmo normal, o casal entrou na brincadeira, ela me agarrou, estava todo mundo fudendo ao mesmo tempo no quarto, a luz apagada, tudo escuro, só dava pra ver alguma coisa quando alguém tirava alguma foto, ele não tirava o olho dela comigo, eu não me senti a vontade e acabei me afastando, deixando ela brincar com os outros caras que estavam lá, depois fiquei de sacanagem, os dois fudendo , eu estava perto e passava a pica nele, no escuro ela não via, mas sempre alguém tirava uma foto e ai ela mais que imediatamente olhava pra mim , pra ver se eu estava fazendo alguma coisa com o marido dela rsrsrs, mas eu estava só me divertindo, por que não sou santa rsrsrs.


Ciúme é um sentimento estranho, vem como ondas, cada vez mais forte, dói de uma forma que a gente não sabe de onde vem, mas doe assim mesmo, é uma mistura de agonia, com ansiedade, frustração  com impotência, é algo realmente doloroso, mas é um sentimento comum a todos, eu sinto ciúme da minha esposa, apesar de gostar de ver ela com outros homens e mulheres, mas as vezes acontece, por causa de um olhar, um gesto, uma palavra, um pequeno detalhe pode ativar esse sentimento estranho, claro que tenho um ciúme de certa forma controlado, afinal de contas tenho que escolher entre viver com o ciúme ou minhas fantasias sexuais, minha esposa sente ciúme de outras mulheres, mas as vezes de alguns homens também, dependendo da situação em que rola o sexo, por isso eu não saio sozinha com outra mulher e evito também os casais, por causa do ciúme da minha esposa e do próprio casal entre si, no mundo do swing o ciúme é a principal causa de fim de relacionamento e brigas, se você quer ingressar nesse mundo, saiba que vai sentir ciúmes sim e terá que aprender a controlar esse sentimento ou escolher entre fantasia e realidade, bjs a todos e segue umas fotos minhas atuais, já que ando meia sumida da net, pelo menos vocês tem com saber como estou atualmente, espero que gostem das fotos novas, pois estou de cuequinha rsrsrs. 












quarta-feira, 2 de abril de 2014

Entre o Certo ou o Errado

Entre o certo ou o errado

Esses dias vivi um dilema, agora levando a vida mais de vagar, mais caseira e tudo, claro que meus instintos de puta não morreram, apenas deixei adormecido, mas como toda boa puta, chega uma hora que a gente quer aprontar, experimentar algo novo e já fazia tempo que procurava alguém daqui de perto de onde moro para umas aventuras sexuais, há muito tempo atrás conheci um cara pela internet, ele marcou comigo, na pista onde eu trabalhava “ Augusto Severo” , lá por volta de uma hora da madrugada ele apareceu, era uma noite fria, poucos clientes procurando diversão, o papo com ele estava bom, então resolvi levar ele pra minha casa, seria bom pra mim por que depois do programa já estaria em casa, além da carona é claro e bom pra ele que já estaria na metade do caminho pra casa, vou chama-lo de Negro S, o sexo foi muito bom, ele tinha uma pica enorme, já estava dura me esperando, cai de boca naquela pica, mas não conseguia engolir ela toda, por que era torta pra baixo e batia na minha garganta, mas no meu rabo entrou como uma luva, era grosa e cabeçuda, dava uma dorzinha gostosa a cada estocada que me deixava toda arrepiada, adorei sentir aquela pica no meu rabo, fudemos umas 2 horas e depois apagamos agarradinhos, acordei no outro dia com ele já arrumado, pronto pra ir embora, já tinha posto o pagamento pelo programa em cima da mesa e se despediu, eu gostei de tudo nele, um coroa mulato, alto, forte, pica bem grande, 100% ativo, tocou somente no meu lado feminino, me fez sentir uma mulher ao seu lado, valorizo muito um homem que sabe me tocar de forma sedutora, me faz sentir desejada como uma mulher, por que quando sou ativa, seja com homem ou com mulher eu faço as pessoas se sentirem assim, mesmo que seja só uma foda ou um simples programa, e ele sabia me tocar, me beijava com vontade, me tocava o corpo todo, menos minha parte masculina, disse que me acompanhava desde o tempo do UOLK onde eu era o MULATO BUNDUDO, então resolvia meu problema de dupla identidade, na época eu escondia dos homens que saia comigo, que andava de homem no meu dia a dia e que de Sandra somente quando estava com eles ou na pista, como ele me admirava mesmo quando meu perfil era masculino, então não teria problema dele me ver como homem, a maioria das travestis tem seu começo Cross, até assumir de vez sua opção sexual e viver seu lado feminino completamente, todas sem exceção escondem seu lado masculino dos homens que saem, assim como escondem seu lado feminino para família e amigos até sua admissão sexual, conheço várias travestis que não vivem como mulher 24 horas por dia, por causa da família ,mesmo com eles sabendo da sua opção sexual, eu não era diferente, escondia meu lado feminino de todos, principalmente da minha família e digo que assumir esse tipo de opção sexual pra um pai ou mãe, não é tarefa fácil, mas chega uma hora que todos temos que passar por isso, mas voltando ao assunto, eu gostei tanto de tudo, que fiz uma proposta pra ele, um relacionamento sexual mais intimo, quase um namoro, na verdade uma amizade colorida, quando ele sentisse vontade ou eu também, procuraríamos um ao outro pra nos satisfazer, isso sem cobranças, poderíamos sair com quem quiséssemos sem ter que dar satisfação, mas na hora que estivéssemos juntos, ai só existiria nos dois, tentamos um tempo, saímos algumas vezes, mas nem eu tinha muito tempo, já que fazia pista direto e nem ele por causa do trabalho e de seus relacionamentos a parte, ele sumiu por quase um ano e depois do nada apareceu cheio de tesão atrás de mim, mas pra sacanear por causa da ausência, rebaixei ele a cliente novamente, se quisesse me comer teria que pagar, engraçado que foi uma das melhores fodas que demos, ele parecia estar com raiva por estar me pagando pra me comer e me pegava forte, parecia uma mistura de ódio e tesão rsrsrs, ao mesmo tempo que me beijava como se estivesse morrendo de vontade de fazer isso, me segurava pelos cabelos e socava o mais forte possível, parecendo que queria me fazer sofrer, mas pelo contrário, eu estava adorando a situação e me divertindo muito com aquilo, meu sorriso deixava ele com mais raiva e ai que ele socava mesmo, depois disso eu liberei ele de novo do programa e passamos a ser só amigos com fodas ocasionais, as vezes ia no trabalho dele a noite depois da fazer a pista, ele é  PM e eu dava pra ele fardado, que delicia que ele ficava de farda.
Mas minha vida mudou, me casei novamente, mudei de endereço, parei de fazer pista, passando a tender por telefone, isso deu uma diminuída brusca no meu ritmo sexual, pra mim atender por telefone é menos cansativo, o programa sai mais caro,  então eu ganho mais trabalhando menos, fora os riscos da pista que sempre incomodou muito minha esposa, mas eu gostava do ritmo sexual que tinha e senti falta da rotatividade, o lugar onde fui morar é bem tranquilo, as vezes acho que tranquilo até de mais, eu que me acostumei com a pista até hoje sinto um tesão enorme conforme a madrugada vai chegando, mas aqui as coisas são bem devagar e também eu não confio muito nas pessoas daqui, aqui tem muito gay e todos acabam sendo falado pelos próprios caras que comem eles, teve um até que se mudou de tanta vergonha, era casado, foi dar pra um dos moradores daqui que gosta de comer um viadinho de vez em quando, depois disso o nome dele foi parar no boneco de judas, até a casa dele foi pichada, dizendo que ele era viado e que todo mundo estava comendo o rabo dele, perdeu a mulher e acabou se mudando, eu estou casada, com filho, não quero que minha esposa e filha acabem sendo discriminada por minha causa, então não dou mole pra ninguém, mesmo eles percebendo que sou diferente, por causa do peito grande, da bunda, do cabelo, mas nenhum deles podem dizer nada a meu respeito, fora os passivos que ficam loucos com minha pica balançando dentro da bermuda, já me apelidaram até de KID BENGALA rsrsrs, mas apesar de tudo, gostaria de ter um amante de perto, pra suprir meu tesão da madrugada, na internet não aparecia nada, os que apareciam não me interessava, os da rua eu não confio, então fiquei na minha, até que um dia no face apareceu um homem que dizia assim, “ poxa, ta me esnobando, é só por que to afim de sair contigo? Se for isso eu paro de te perturbar, me da uma resposta”, eu sinceramente nem tinha percebido seus recados até esse dia, ele é negro, corpo legal e morador daqui, de perto, mas não é exatamente um vizinho e isso era o que eu procurava, conversamos pelo face, ele não era muito assíduo da internet, na verdade só tinha o face como pagina, estava entrando somente pra tentar me conhecer, disse que tinha um dote bem grande, 26 cm de pica preta e dura, parecia ser mesmo tudo que eu procurava, então trocamos telefone e marcamos, eu como estou cansada de propaganda enganosa, marquei um encontro apenas pra um papo numa praça aqui próximo, vou chama-lo de negro D, pra não expor seu nome, expliquei que andava de homem e ele concordou numa boa em me encontrar assim e marcamos na Praça Gil, aqui em Vilar dos Teles, mesmo sem gostar de sair com homens, mas viu minhas fotos e vídeos e disse que sabia que aquilo ali era só uma roupa masculina escondendo o corpo feminino que tenho, o papo foi legal, falamos sobre família, ele era solteiro, morava sozinho, não tinha filhos e idade entre 35 anos, fazia cursinho e estava procurando emprego, até me convidou pra ir na sua casa, já que eu andava de homem e não iria expor seu gosto sexual pra seus amigos e vizinhos, falamos sobre musica, religião, um pouco de sacanagem, ele me pediu pra ficar em pé pra ver o tamanho da minha buda, eu disfarçadamente mostrei pra ele, a praça estava cheia, mas no meio da conversa apareceu três amigos dele, do tipo que de longe você saca que não é boa coisa, mas tratei normalmente, eles não sacaram que aquilo era um encontro, ele ficou sem graça, os caras ofereceram droga pra ele, claro que ele recusou, mesmo por que já tinha dito que era careta, não uso nada, nem bebidas alcoólicas, isso já me deixou meia com o pé atrás com ele, mas ele passou a me ligar quase que diariamente, primeiro a cobrar, mas quando viu que eu não atendia e nem retornava, passou a me ligar direito, sempre dizendo que eu ia adorar ele na cama, que o pau dele era enorme, me disse até que uma vez foi numa festa na sauna em Botafogo, pensando que eu estaria lá, só que nesse dia a festa não era minha, a travesti que organizou a festa, me pediu pra ajudar a divulgar, só que ai ela fez como se eu fosse na festa, ele rodou a festa toda perguntando por mim, como não me achou, foi cantar uma travesti que estava por perto, mas ela esnobou ele, até que ele botou a pica pra fora, quando ela viu, levou ele correndo pra cabine da sauna, pensei, “se a travesti só se interessou por ele quando viu a pica, sinal que é realmente grande”, então fiquei curiosa, ele arrumou um carro emprestado pra me levar no motel, mas eu não estava com tempo, fez isso duas vezes e  nas duas vezes eu não pude ir, até que um belo dia eu estava cheia de tesão de madrugada, liguei pra ele pra saber se ele estava afim de sair, ele respondeu que sim, mas estava sem carro e sem dinheiro, mas conhecia um lugar onde podia rolar, eu não queria trazer ele aqui, nem muito menos pagar o motel, por que se não fica mal acostumado, então me encontrei com ele e fui pro tal lugar que ele falou, pensei que ia me levar pra sua casa, por que além de ser de madrugada, eu estava de homem, mas que nada, me levou pra uma lugar deserto e bem escuro, uma espécie de terreno baldio, no meio do mato, disse que não podia me levar pra sua casa pois morava com a mãe, eu entrei na onda, afinal de contas, no meio do mato também da tesão, eu não estou acostumada mesmo a ficar fazendo assim, encarei como um fetiche, fazer ao ar livre, apesar de perceber que a história que ele me contou não bateu, primeiro disse que morava sozinho, agora morava com a mãe, mas deixei pra lá, ele forrou sua própria roupa no chão, mostrando um pica dura e enorme, realmente era linda, chupei muito aquela pica, ele praticamente arrancou minha roupa, estava de bermuda, camiseta e chinelo, por baixo usava apenas uma calcinha bem pequena, ele queria ver minha bunda, quando conseguiu tirar minha roupa, me virou de costas e falou “ caralho, que rabo é esse”, ajoelhou e eu fiquei de quatro pra ele, ameaçou a beijar minha bunda, deu uma tímida linguada no meu cusinho, depois apontou a pica e começou a força, pensei ,” será que estou fedendo, ou suja, por que ele não me chupou direito ?”, então me levante, por que a pica dele era muito grande e grossa e não ia entrar a seco, ele chupou meus seios, eu sua pica mais um pouco, e passei saliva na entrada do cusinho, segurando em uma arvore que tinha perto, empinei a bunda pra ele comer, logo aquela pica gostosa estava toda dentro de mim, uma delicia, por que apesar de muito grande, ela era retinha, eu aguentava ela todinha numa boa, em pé de costas pra ele, ele socando em mim, as vezes me puxava pelo rosto e me dava uns beijos, mas só me beijava assim, teve um casal que apareceu do nada e  viu ele cravado em mim, mas o casal voltou por node veio, ele me explicou que ali dava muito viciado, iam ali pra fugir das vistas da policia, já que ali ninguém perturbava, fudemos em pé, de quatro, de frango assado, foi um sexo gostoso, ele demorava a gozar e a situação de estar ao ar livre me dava tesão, até que finalmente ele disse que ia gozar, tirou a camisinha e gozou na minha boca, era muita porra grossa, , gostosa, eu engoli tudo, que delicia de porra, depois ele foi pra casa e eu pra minha.
Umas duas semanas depois ele que não tinha entrado em contato até então, me ligou o dia todo, eu na verdade só atendi de madrugada, fazendo um charme, ele ficou duas semanas sem me ligar, achei que não tinha gostado, até comentei com minha esposa sobre isso, mas ela disse que ele ia ligar, quando atendi ele disse que estava cheio de tesão e se podia me encontrar  naquele local, sabe como é né, madruga sempre me deixa com tesão e a pica dele era realmente boa, então fui, arrumamos um canto, tiramos a roupa, a pica dele como da outra vez já estava dura, eu comecei a chupar, ele então puxou um cigarro de maconha, perguntou se tinha problema fumar um enquanto estava comigo, eu quando trabalhei na pista, o que mais pegava era viciado, tinha uns que nem fodiam, a maioria viciado em pó, queriam mais companhia do que sexo, como eu cobro por hora, pra mim era vantagem, eram os cliente que pagavam mais, teve um que ficou comigo das 01 da madrugada até as 14 horas da tarde, sexo mesmo só rolou quando o efeito do pó passou e o pau dele subiu, mas em compensação, dinheiro eu ganhei muito nesse dia, então falei pra ele que tudo bem, que eu só não usava, ele acendeu e começou a fumar, parecia que quanto mais fumava, mais sua pica ficava dura, ele se soltou, começou a me beijar, socava a pica na minha boca com força, quase me sufocando, ficava me oferecendo, tanto que acabei experimentando, dei umas três tragada, nossa, minha mente ficou turva, perecia que estava flutuando, o sexo ficou uma coisa surreal, ele me virou e socou tudo no meu rabo, nem lembramos de camisinha, ele socava forte e eu socava a bunda contra a pica dele, pra fazer entrar com mais força, ele tirava do meu rabo e metia na minha boca, ficava me perguntando se eu queria levar leite no cusinho ou na boca, eu cheia de tesão falava” no cusinho, enche meu cu de leite, quero sentir seu leite quente dentro de mim”, ai ele socava com mais vontade, depois tirava e metia na minha boca, dizendo “ já que não me fez gozar com o rabo, vou gozar na sua boca”, e socava, fundo, eu já nem esquentava mais, aceitava tudo, o tempo parecia passar lentamente e um minuto parecia horas,  mas eu fazia tudo que ele me mandava, tirava da boca e dizia, “vamos ver a onde vai ser essa leitada, se quer na bunda faz por merecer que eu te dou”,  então eu rebolava muito naquele pau, mas ele não gozava e voltava a meter na minha boca, ficamos muito tempo assim, ele mandava eu chupar forte dizendo que ia gozar, mas o gozo não vinha, até que finalmente ele disse que ia gozar, estava socando forte no meu rabo, pude sentir seu leite quente me invadindo, era muita porra, seu pau pulsava dentro de mim, eu me virei e dei uma boa chupada no seu pau ainda soltando o restinho de leite e todo melado da porra que ele jogou no meu rabo, aquilo foi muito bom, mas voltei pra realidade rápido, não estou acostumada a fazer isso, coloquei minha roupa, disse tchau e deixei ele ali pelado sem entender nada, eu estava muito tonta, anda pisando em ovos, minha mente viajava em um monte de pensamentos e por mais que eu andava, parecia que tudo estava em câmera lenta,  não saia do lugar, minha sensação de tempo estava totalmente alterada, me senti indefesa, por que a noite sempre é perigosa e tudo que eu tenho pra me defender é minha astucia, justamente isso eu estava sem, não conseguia me concentrar em um pensamento só, não gostei disso, o medo de ser pega por alguém ou parada pela policia, parecia que estava bem transparente que eu não estava normal,  por mais que eu tentasse disfarçar, cheguei em casa, minha esposa estava dormindo, deitei ao seu lado, ela despertou e me perguntou se estava tudo bem, respondi que sim que só estava com sono, tive vergonha de dizer pra ela o que tinha feito, mas pesei tudo na balança no outro dia, o sexo foi maravilhoso, mas sensação que senti depois não foi e resolvi que não iria fazer aquilo de novo.
Uma bela noite, estava eu e minha esposa cheios de tesão, querendo algo diferente, então o negro S ligou, como já tínhamos saído várias vezes, inclusive os três juntos, ela aceitou e marcamos dele vir aqui em casa de madrugada, quando esta todo mundo dormindo, queríamos uma brincadeira bem quente, então ela deu um jeito dos filhos dormirem na casa da avó, ficamos só nos dois em casa, mas o negro D ligou e eu gostava da pica dele também, conversei com ela e ela topou a quatro, mesmo por que ainda não conhecia o negro D, marquei com os dois e avisei que teria mais um, eles concordaram numa boa, por volta das 00 chegou o negro S, ficamos conversando, ele tomou um banho, servi um vinho, eu estava prontinha de salto, corpete, um shortinho cavado no rabo, prontinha pro abate rsrsrs, logo depois chegou o negro D, mas ele parecia super sem graça com a situação, não quis tirar a roupa, não quis beber, então perguntei se ele queria ir pro quarto comigo, pensando que isso ia quebrar o gelo e fazer a  brincadeira começar,  mas o negro S não foi pro quarto atrás da gente, ficou na sala conversando com minha esposa, eu comecei a chupar a pica do negro D, depois subi em cima dele e comecei a cavalgar sua pica, sentia o saco dele encostar no meu rego, ele tem a base do pau bem mais grossa e sentia arregaçar a entrada do meu rabo, que delicia, mas logo comecei a escutar o barulho da socada do negro S no outro quarto, ele estava comendo minha esposa, mas não era isso que eu queria, queria fuder a quatro, então me levantei segurei o negro D pela pica e disse, “vem comigo”, levei ele até o outro quarto, chegando lá, minha linda esposa estava de quatro com o negro S cravado no seu rabo, que delicia de sena, fiquei de quatro ao seu lado e comecei a chupar a pica do negro D, depois me virei e dei o rabo pra ele meter, ficamos nos beijando nos duas enquanto os dois metiam na gente, pensava que ia ter uma troca, que eles iam ficar revezando no rabo da gente, o negro S pediu pra meter em mim um pouco, o D saiu, mas ao invés de meter nela ele apenas deu a pica pra ela chupar, não demorou muito ele largou ela e enfiou a pica na minha boca, minha esposa então pegou a câmera pra ficar fotografando a sena, a pica do negro S também é bem grande, uns 24 cm, só que é torta pra baixo, então caba batendo no lugar errado, causando uma dor, que na verdade eu gosto de sentir, mas se a pica dele fosse um pouco maior eu confesso que não aguentaria, já o do negro D é maior, 26 cm, mas é totalmente reta e eu aguento ela todinha numa boa, eles ficaram revezando no meu rabo, até que o negro S gozou enchendo meu cusinho de porra, logo depois veio o negro D, acho que por causa do tesão de comer um cusinho todo gozado, sua pica escorregava fácil todinha, e ele socava forte, acabou gozando também no meu rabo, misturando a porra e enchendo ainda mais, o leite escorria pra fora do meu rabo, me deixando com mais tesão ainda, mas depois do gozo o negro D disse que tinha que ir embora, se arrumou e saiu, eu fui pro outro quarto pra deixar minha esposa a vontade com o negro S, mas ela estava cansada e mandou ele ir pro outro quarto pra ficar comigo, dormimos os dois agarradinho, claro que antes ele deu mais uma foda gostosa, me socou de tudo quanto é jeito, eu que estava com todo o leitinho dos dois guardado,  soltava porra a cada estocada que ele dava, foi um sexo muito melado, porem muito gostoso, ele deu mais uma gozada no meu rabo, depois um banho pra ele se limpar, eu preferi dormir do jeito que estava, queria curtir aquela sensação de estar cheia de porra, ele foi embora de manhã bem cedo, pois ia trabalhar e minha esposa no outro dia comentou que não gostou do negro D, disse que tinha uma pica linda, mas que era estranho, parecia que tinha algo errado com ele, estava assustado e demostrou claramente que não sentia tesão nela, ele nem tocou nela, não curtia mulher gordinha, chegamos a conclusão que ele estava com medo do negro S, já que esse é policial e o D parecia que era o contrário, o negro S também achou ele estranho, isso reforçou nossa teoria de que o D não era flor que se cheirasse, mas como eu não tinha contato diário nem com um e nem com outro, deixamos pra lá.
Passou mais de um mês e o negro D nem me ligava, conversando com minha esposa ela falou, “ele vai ligar, se preocupa não, ele não vai perder uma boca livre dessas, um rabão pra ele comer e nem precisa gastar com motel, ou você vai no mato ou trás ele aqui, assim até eu quero uma moleza dessas”, claro que disse isso me criticando, até que um belo dia ele me ligou e acabamos marcando aqui em casa de madrugada novamente, nesse dia eu estava sozinha em casa, fudemos a noite toda, depois de gozar ele ainda ficou comigo na cama, quase dormiu, mas eu queria mais pica, uma saideira antes dele sair, mas ele não estava afim, só ficava o tempo todo me perguntando se eu tinha uma amiga assim como eu, com a bunda bonita pra fazer a três com ele e sobre um casal que ele estava saindo, queria que eu saísse junto com ele, pois o cara queria dar, mas ele não curtia comer homem, mas falava da mulher do cara como se ela fosse uma deusa, dizia que a mulher era perfeita, buceta linda, pernas grossas, loira, cabelão, olhos azuis, peitão, bundão, cinturinha, em fim, endeusou a mulher, parecia estar apaixonado pela mulher do cara e queria me usar pra deixar o cara satisfeito, logico que eu não aceitei, disse que se o casal quisesse sair, teria que pagar o  meu programa, por que de graça eu só dava pra ele, ele não gostou muito da resposta mas teve que aceitar e não tocou mais no assunto, eu coloquei uns vídeos que gosto, de homens fudendo, pensei que fosse dar tesão a ele, mas ele perguntou se tinha uns de travesti, eu até tinha mas estava tudo espalhado no meu HD, então desliguei o vídeo e fudemos sem assistir nada mesmo, depois disso ele ficou mais um bom tempo sem me procurar, acredito que tenha ficado com raiva por não ter topado sair com o casal, quando me procurou, marcamos aqui em casa, eu preparei uma pasta com vídeos só de travesti pra ele assistir, mas o tiro saiu pela culatra, tinha um vídeo com uma travesti realmente linda, os olhos dele brilhavam, ele me perguntava se eu a conhecia, obvio que não já que ela era americana, ele sentado no sofá da sala, eu chupando, me matando pra dar prazer a ele e ele vidrado no vídeo, nem parecia que eu estava ali, nesse dia me senti feia, parecia que eu era uma travesti qualquer, tudo bem que quando eu estava na pista, era mais vaidosa, estava sempre de implante, cabelão, roupas sexy, sempre depiladinha, agora trabalhando por tel , parei de usar implante, to deixando o cabelo crescer, e o implante apesar de causar uma boa impressão, prejudica o crescimento do cabelo, tornando a gente escrava do próprio implante, depilação também mudei o jeito de fazer, passei a fazer a cera, então fico 15 dias depiladinha e 15 dias deixando os pelos crescerem pra poder depilar de novo, um luxo que não podia me permitir quando estava na pista, já que tinha que estar feminina quase todos os dias, é uma faze difícil pra mim, que fragiliza meu lado feminino, mas que tenho que passar se quero chegar aos meus objetivos, hoje em dia meu cabelo já esta quase no ombro, me deixando um pouco mais satisfeita com minha imagem, o resto do que pretendo fazer ainda é segredo e virá a tona no tempo certo, mas me senti horrível, parecia que ele precisava da imagem dela pra sentir tesão em mim, eu que estou acostumada a ser assediada até quando estou de homem, me senti desprezada, e parei a foda no boquete mesmo, disse que não ia dar pra rolar, que não estava me sentindo a vontade e mandei ele ir pra casa, depois disso ele ainda me ligou algumas vezes, mas eu não atendi, agora que troquei o numero de telefone por que perdi meu aparelho celular, mesmo se ele quisesse ou eu não teríamos como entrar em contato, já que nunca vejo ele on line no face, confirmando o que ele disse que só estava entrando pra poder me conhecer.

Nesse meio tempo o negro S me ligou, disse que estava de folga e morrendo de saudades de mim e vontade de sentir meu corpo, marcamos um motel, nesse dia não dava pra receber ele em casa, aqui nem sempre da, então ele me pegou aqui de carro e partimos em direção ao Lugano, isso era umas 00 horas, mas pra nossa surpresa o Lugano estava lotado, partimos então a procura de outro motel, pegamos a Dutra e fomos parando de motel em motel, nada de vagas todos lotados, pegamos a Brasil e fomos em direção a Bangu, parando em cada motel pelo caminho e nada de vagas, eu aproveitei o caminho longo, coloquei a pica dele pra fora e fui chupando ele durante o percurso, só parava quando ele entrava em um motel, no ultimo motel que entramos, ainda tinha uma fila de carros a espera de uma vaga, fiquei boba, não imaginava que as pessoas estavam fudendo tanto, desistimos e ele me trouxe de volta pra casa, mas eu estava com vontade e não queria perder a oportunidade, então mandei ele estacionar de baixo de uma arvore que tem quase aqui de frente de casa, meu vizinho que é gay incubado ficou eufórico, foi pra janela e ficou olhando a gente, só que o carro dele é todo filmado, não da pra ver nada lá dentro, principalmente a noite, então começamos a brincadeira, eu chupei ele gostoso, tiramos toda a roupa, o carro balançava conforme a gente ia aprontando lá dentro, meu vizinho ficava da janela só olhando, a rua aqui é muito deserta e não tem perigo da gente ser pego pela policia, fora que ele também é, então ficaria mais fácil de desenrolar caso isso acontecesse, arriamos os bancos da frente e eu fiquei de quatro apoiada no porta malas e com as pernas abertas, um joelho em cada banco, ele veio por trás, chupou meu cu enfiando a língua lá dentro, depois se encaixou em mim deixando sua pica escorregar até entrar toda, ai foi só socada forte, o carro balançava cada vez mais, meu vizinho desistiu de arrumar algo ali e entrou, se ele soubesse que era eu que estava ali dentro dando, o negro S gozou gostoso e ficamos agarradinhos dentro do caro, eu sentindo sua pica pulsar no gozo, que delicia, depois nos recompomos e ele me deu o dinheiro do motel ,disse que ia gastar mesmo com o motel, e já que não rolou, que queria dar pra mim, foi muito gostoso nosso sexo, depois disso eu sai como se não tivesse acontecido nada, claro sem meu vizinho ver e ele foi pra casa, me ligou no outro dia e disse que queria  mais do que isso, queria ser meu mante e da minha esposa, em troca ele nos ajudaria no que precisássemos, conversei com ela e ela topou, estamos em obra em casa, ele veio nos dar uma ajuda e com isso passou a frequentar minha casa durante o dia também, entre o certo e o errado, preferi ficar com o certo, ele me da pica, me da carinho, me da atenção e ainda me ajuda quando preciso, não cobro fidelidade dele e nem ele de mim e assim segue esse nova faze em mim vida, estou dando um tempo de tudo, atendo somente meus clientes antigos e dificilmente aceito novos clientes, dando só pro meu negão, que me satisfaz e me deixa toda molinha na casa, mas em breve voltarei atender, dessa vez pretendo estar cheia de novidade pra postar aqui no blog, um grande beijo a todos que me acompanham, espero que tenham, gostado do que postei, breve farei um vídeo bem gostoso com ele pra postar aqui.






















quarta-feira, 19 de março de 2014

PERCURSO

Percurso

Hoje quero falar do passado, muitas pessoas me veem hoje, como uma figura diferente, alguns acham impossível existir uma travesti que seja bissexual de verdade, me julgam por experiência que tiveram com outras trans, tem muitos que leem meus contos e nem sei o por quê, pois não acreditam em nada do que escrevo aqui, esses dias mesmo recebi uns recados anônimos, de uma pessoa que me mandava parar de querer enganar os outros e a mim mesmo, dizendo que curto mulher, que meu negócio é piru e que ele tinha pena da minha esposa, eu sei que é difícil mesmo acreditar por que de 100 % das travestis, 99 não curtem e tem verdadeiro pavor em tocar uma mulher, algumas com menos pudor até topam fazer programa com casal, mas na hora H, elas nem tocam na mulher direito e quando a mulher toca nelas, elas perdem a ereção, mas pra entender um pouco do por que é possível que eu seja assim, teria que ter um entendimento melhor de quem eu sou e de como me tornei o que as pessoas veem hoje, resolvi relatar o que fiz desde minha descoberta sexual até agora.

O QUE EU SOU

 Pra começar eu era um adolescente tímido, não muito interessado em sexo, gostava de ler gibi, ver desenhos, escutar rock e estudar, trabalhei desde cedo conciliava meus gosto com meu trabalho numa boa, já que o sexo não era influencia na minha vida, namorava somente com as meninas, mas era só beijinho e abraço, até que aos 17 anos tive minha primeira experiência sexual com homem, eu trabalhava num trailer como balconista e ajudante de cozinha na orla da Glória ali bem atrás da VASP, uma vez um negão que sempre lanchava lá, me deu uma carona ali por perto e no meio do caminho segurou minha coxa e disse, “ porra cara tu tá cada vez mais gostoso em”, eu fiquei sem graça, elogio é bom, mas vindo de um homem eu não esperava, mas estava ficando com o corpo legal, era um preto chamativo, tinha um coroa branco, tipo italiano, me lembro de um sotaque diferente, eu sempre atendia ele no balcão na hora do almoço, ele era motorista da VASP ali no setor de carga e descarga, conversava bastante enquanto lanchava, mas papo normal, nada de conotação sexual, mesmo assim eu percebia suas intenções e confesso que aquilo me seduzia, a sutileza como ele fazia transparecer suas verdadeiras intenções, um belo dia ele me convidou pra conhecer a Ilha do Governador, ele morava lá, eu interessado em saber o que ia acontecer ,aceitei o convite, jantamos juntos, demos uma volta boba pela ilha, depois ele me levou para o quitinete onde ele morava, eu tomei um banho, coloquei um short e uma camiseta, ele me deu um suco de laranja e preparou uma cama improvisada pra mim no chão ao lado de sua cama, alisou minha pernas enquanto eu bebia o suco, me deixando bem encabulado na época, eu falei que iria dormir, estava com sono e ele perguntou se podia dormir ali comigo, eu respondi que não,” ok, me desculpa se estou indo rápido de mais, pode dormir em paz”, logo que deitei apaguei, acordei meio sonolento no meio da noite, percebi uma mão me acariciando o corpo todo, eu estava de quatro e ele me penetrava lentamente, mas o sono era muito forte, eu não conseguia raciocinar e nem reagir, acabei apagando novamente, mas o pouco que vi ficou na minha memória quando acordei no outro dia, tomamos café sem conversar muito, ele ia trabalhar, então me deu uma carona até a saída da ilha, lá me ofereceu dinheiro, disse que era pro lanche, mas eu interpretei como se ele tivesse me dando um cala boca e depois disso evitei conversar com ele, ele me mandava bilhetinhos no guardanapo pedindo pra me encontrar, dizendo que estava com saudade, eu devolvia dizendo que não, ainda mais que meu patrão percebeu o lance e me avisou pra tomar cuidado, por que ele parecia que estava com segundas intenções comigo, eu tímido como era, ai que nem assunto eu queria mesmo, o tempo passou, servi o quartel e por incrível que pareça, nunca mais tive experiências com homens, pelo contrário, quartel, farda, fetiches, acabei foi pegando muitas mulheres, principalmente as casadas, sempre tive atração por mulheres  na faixa dos seus 30 anos por ai, e as amigas da minha mãe viraram alvo, comia todas que davam mole.
Um belo dia na casa do meu primo, estava no terraço, gostava de ficar lá, pois era bem sossegado, mas foi morar um viadinho atrás da casa deles, ele era negro, enorme, uns 2 metros de altura, tinha uma bunda carnuda e um pelo descolorido farto pelas pernas e bunda, peitinho de hormônios, andava só de calcinha o tempo todo, ia no quintal estender roupa na corda e eu ficava olhando aquela bunda que cada vez mais estava me fascinando, quando meus primos estavam juntos, ficavam falando, “ que coisa escrota e ridícula esse viado, um negão desse tamanho de calcinha”, eu não falava nada, só observava discretamente, até que um dia estava na minha casa, que era mais ou menos perto, era coisa de meia noite, eu pensando naquela bunda sem parar, cheio de tesão, criei coragem e fui até lá, sai de casa sem ninguém perceber, atrás da casa dos meus primos era um terreno baldio enorme, a casa dele era no final do terreno, cheio de medo de algum conhecido me ver, mas isso não me impediu, pulei o muro e bati na porta, ele todo escandaloso “ quem é em, quem ta batendo na minha porta a essa hora? ”,”a tá, é você da casa do lado, o que você quer menino?”, “quero entrar antes que alguém me veja aqui”, ele riu e me mandou entrar, nesse dia como eu comi aquela bunda, estava seco nela a muito tempo, acabei virando freguês, sempre que dava um tesão de madrugada ia lá, as vezes durante o dia também, quando sabia que não tinha ninguém na casa dos meus primos, mas ele parecia sentir tanto prazer em me dar o cu, que aquilo começou a mexer comigo também, comecei a desejar sentir o que ele sentia, passava o dedo no cu e achava gostoso, então me abri com ele, disse que queria dar também, ele ficou todo animado, eu tinha um corpo legal, barriga tanquinho, bunda grande e empinada e meu corpo é lisinho naturalmente, isso deve ter mexido com as fantasias dele, então me colocou de quatro e começou a chupar me cu, aquilo era maravilhoso, me deixou totalmente relaxado e certo do que queria, mas na hora da penetração, quem disse que ele conseguia me comer, se masturbava chupando meu cu, mas quando colocava na portinha o pau ficava mole quase que automaticamente, aquilo me frustrava, achava que ele realmente não estava afim, mesmo ele dizendo que estava, tentamos várias vezes, ele nem parecia mais tão afim de me dar, só de me comer, mas nunca conseguia, queria voltar atrás e ficar só comendo aquela bunda bonita dele,  mas ele sempre insistia em tentar me comer e aquilo foi me deixando sem vontade de me encontrar com ele, então aos pouco fui parando de ir, até parar de vez, hoje em dia sei que o problema de ereção dele era por causa dos hormônios que ele tomava, naquela época não fazia ideia que isso existia de homem tomar hormônios femininos.
Os viados amigos dele, que moravam ali por perto e não eram poucos, passaram a me assediar na rua, claro que ele contou que estávamos saindo, o que parecia ser líder deles, já que andavam sempre em grupo, parecia estar alucinado em mim, ele tinha até uma bunda bonita, as vezes eu via ele de shortinho curto cravado na bunda desfilado pela rua, dava uma olhadinha discreta, mas a carne é fraca, um dia vindo da casa da minha futura primeira mulher, lá pela meia noite, cheio de tesão, já que nosso namoro era só roça-roça, encontrei com ele e mais dois amigos gays conversando numa praça deserta, eles me chamaram e eu fui, estavam numa mesa dessas onde as pessoas jogam dama, me sentei na cadeira vazia, e logo um foi pra de baixo da mesa e começou a me chupar, quando saia o outro ia pra baixo pra me chupar, depois de um tempo o tal que parecia líder me chamou pra uma casa vazia que ficava ali perto, fomos só os dois, os outros ficaram esperando  na praça, ali sim pude ficar a vontade, tiramos a roupa toda, ele me chupou, eu chupei o cusinho dele, depois meti gostoso naquele rabo, mas não gozei, ele queria me comer também e eu deixei, tinha uma pau pequeno mas o tesão da situação foi o suficiente, ficamos assim trocando, um comendo o outro, isso aconteceu depois da história que vou contar sobre minha primeira vez como passivo, depois disso ai que ele me cercava mesmo, era doido pra namorar sério comigo, uma vez me parou na rua e ficou me convidando pra ir em sua casa, dizendo que tinha comprado uns presentes pra mim, eu sem graça, querendo seguir meu caminho, um monte de amigos meus passando e vendo a gente conversando, ficava pensando o que eles iam pensar, mas ele logo retrucou, “ ta preocupado com o quê, seus amigos? Já comi a maioria deles”, e começou a citar nomes, os que passavam e faziam questão de me cumprimentar pra dizer que me viu, já comi também”, aquilo me deixou mais cabreiro ainda, se ele falava deles pra mim, também poderia falar de mim pra eles, então resolvi que não iria  mais rolar com ele  nem com nenhum amigo dele, agora sim, voltando ao assunto sobre minha nova fantasia sexual, resolvi que estava na hora de dar a bunda de verdade, por que a experiência com o cara da Ilha e o viadinho que morava atrás da casa do meu primo, não contava como real, resolvido a experimentar isso coloquei um anuncio na Revista Private, recebi muitas cartas me respondendo, eu aluguei um caixa postal pra não receber as cartas em casa, mas não tinha muito tempo de ir no correio, teve até um cara que me mandou três cartas e eu recebi todas de uma só vez, foi de certa forma engraçado, eu acabei lendo na ordem ao contrário, a primeira que li me xingava de FP, viado escroto, de um monte de palavrões, dizendo que queria suas fotos de volta, depois lendo as outras cartas achei outra dele que dizia educadamente que já que eu não tinha demonstrado interesse em sair com ele, que pelo menos devolvesse suas fotos, mais a frente achei a terceira que na verdade era a primeira que ele mandou, me fazendo a proposta, tinha três fotos dele, um rapaz branco, corpo malhado, lindo de rosto e corpo, parecia um modelo, então entendi o que tinha acontecido, mandei uma carta de volta, devolvendo suas fotos e explicando que recebi sua três cartas juntas e que não havia respondido por que não tinha recebido ainda, mas que as fotos estavam sendo devolvidas e que infelizmente depois de tanto palavrões e ofensas, que não ia rolar, mas no meio dessas cartas todas, teve uma que me chamou atenção, ele era morador de Nilópolis, advogado, tinha seus 30 anos, gordinho, mandou apenas uma foto 3x4, então liguei pra ele, marcamos um almoço, ele na época tinha um carro horrível, uma Brasília bem velha, que na verdade era do pai dele, mas o papo foi muito gostoso, o almoço também, depois dali resolvemos ir pra um motel, ele me jogou na cama, e veio tirando minha roupa, beijando meu corpo, eu meio sem graça como sempre, ele começou a beijar minha boca, foi a primeira vez que beijei um homem, me senti estranho, sentia sua barba serrada me arranhar o rosto eu nem barba tinha rsrsrs, até hoje quase não tenho, ele me deu a pica pra chupar e realmente era muito grossa, achei gostoso, era limpinha, uma sensação boa, fazer sexo oral nele foi me relaxando, depois ele me virou de quatro, chupou meu cu até ficar bem molhadinho e começou a me penetrar, sua pica estava dura como pedra, doeu só um pouco e logo eu estava com ela toda dentro de mim e curtindo bastante, realmente aquilo era bom de mais, olhava no espelho e via aquele homem em cima de mim, isso me dava tesão, ele duvidou que era minha primeira vez, por que disse que eu parecia ser experiente em chupar e em dar, já que relaxei rápido, fazer o que né, nasci pra isso rsrsrs, esta no meu DNA, dali por diante ficamos saindo periodicamente, ele ainda não era assumido, mantinha duas vidas, assim como eu, conheci alguns amigos dele que eram assumidos e outros incubados, teve um de 24 cm que tranzamos juntos a três, era um militar de outro Estado que vinha uma vez por ano ao Rio pra passar as férias com a mãe, ai ele sempre aproveitava pra dar pra esse cara, ele era passivo, o engraçado é que comigo ele sempre foi ativo, mas eu não tinha o menor tesão na bunda dele, achava feia e muito peluda, nesse dia do amigo eu não consegui aguentar sua pica, doía muito, batia lá no fundo, então ele me comeu enquanto o amigo dele comia ele, ficamos uns 3 anos saindo, nesse meio tempo vi sua vida mudar, ele comprar sua casa, melhorar de vida, já estava com uma Blazer 4 portas, nem parecia aquele homem da Brasília velha, dava até vergonha quando ele ia me buscar em casa, pois chamava muito atenção por causa do carro, minha mãe só dizia “ meu filho, presta atenção no que você esta se metendo”, toda mãe sabe, mas espera que a gente acabe voltando atrás e por isso prefere não se meter, pra não acabar dando mais força pras coisas acontecerem, mas ele já tinha assumido sua homossexualidade pra família, queria um relacionamento estável e assumido,  mas eu não queria isso, então cada um seguiu seu próprio rumo pra alívio da minha mãe ele parou de ir me pegar, só que eu não parei de fazer o que fazia.
FOTOS DE CARTAS QUE RECEBI





















Depois disso eu comecei a namorar sério uma menina, entrei pra igreja, minha namorada era virgem, ela queria casar assim e eu respeitava, mas tinha meu lado homossexual que eu tentava reprimir, conseguia ficar as vezes uns 3 meses sem fazer nada, mas o tesão ia aumentando com o tempo, a vontade de dar o rabo cada vez maior, eu as vezes comprava berinjela, pepinos, pra brincar escondido em casa, tudo pra aliviar meu tesão e não procurar sexo na rua, mas sempre no final eu acabava procurando satisfazer meus desejos sexuais com outros homens, a única coisa que eu não fazia era pegar outra mulher, achava isso uma traição em relação a ela, mas eu não me sentia traindo ela com um outro homem, me sentia traindo a minha religião, nessa época foi uma guerra interior muito grande, casamos e ficamos juntos por 2 anos, quando me separei também sai da igreja, não tinha mais nada que me impedisse, era o começo do fim do meu preconceito quanto a minha bissexualidade, foi quando comecei a me interessar por travesti, passei a ser frequentador da praia do Flamengo, ficava olhando as travesti pegando sol e acha o corpo delas simplesmente lindos, diferente de uma mulher, a travesti tem formas próprias, não era nem masculino e nem totalmente feminino e era isso que me chamava atenção, a bunda, o tamanho, o formato, me deixava louco de tesão e como eu sempre pareci ser muito jovem e travesti gosta de homens novos, isso ajudava bastante, ali no Flamengo uma vez estavam três juntas, uma coroa e duas novinhas, e tinha mais dois caras que estavam por ali tomando banho e elas estavam de olho, incluindo a mim também, logo nos chamaram pra colocar nossas toalhas ali perto delas e ficar conversando, percebi que a mais velha era quem mandava, e que ela estava afim de mim, depois da praia fomos todos pro apartamento delas que era ali mesmo no Flamengo, eu fiquei num quarto particular com a travesti mais velha, enquanto os outros ficaram na sala, fizemos um sexo gostoso onde um comeu o outro, mas depois ela demostrou ciúme de mim com as outras meninas e percebi que pra ela a gente estava tendo um relacionamento, mandou vir um amigo muambeiro e queria me dar bermudas, tênis, camisas e várias outras coisas, mas eu não aceitei nada e depois que saí de lá nunca mais voltei e nem me encontrei com ela, outra vez também ali no Flamengo, estava procurando uma putaria nos pontos de pegação, quando apareceu uma travesti também coroa, ela usava um vestido comprido até o joelho, mas foi até um arbusto, levantou o vestido e segurou a rola, era uma coisa enorme, tanto no tamanho quanto na grossura, parecia uma braço,  mais grosso que o meu, fez sinal pra mim e me aproximei, ela me perguntou ”quer ganhar um dinheiro? Mas vai ter que me dar essa bunda”, eu daria pra ela de graça rsrsrs,” claro, como a gente faz?”, “vamos até meu carro, lá eu te explico”, chegando no carro ela perguntou de novo, “você entendeu que não vai me comer , apenas dar o cu pra mim”, respondi que sim, então fomos pro motel, chegando lá ela me deu um dinheiro que na época era um dinheiro legal, coisas de uns 100 reais hoje em dia, botou a pica pra fora e me mandou mamar, logo aquela pica ficou enorme de dura, nem cabia dentro da minha boca, ela então me virou de costas e começou a me penetrar lentamente, aos poucos ia sentindo aquela pica me abrindo cada vez mais, perecia que ia rasgar meu cu, o pior é que eu estava gostando, aquilo realmente foi uma experiência maravilhosa, ela marcou comigo algumas vezes e me pagou todas as vezes, mas com o tempo acabamos perdendo contato, achei que tinha enjoado de me comer, alguns anos mais a frente encontrei ela por um acaso ali pela orla, eu vivia indo lá a procura de sexo, nesse dia ela passou de carro e eu reconheci ela no volante, ela me viu mas não reconheceu, deu a volta, passou por mim de novo e parou no sinal, bem onde eu estava parado esperando pra atravessar, eu comecei a rir, ela estava de pau duro tocando punheta, me olhou com uma cara de safada e disse, “ta afim de ganhar um trocado”, eu disse, “ Cristine você não esta me reconhecendo?”, dai a ficha dela caiu, perguntou se eu queria entrar no carro, claro que eu aceitei, estava com saudade daquela rola, ela ficou toda boba de me reencontrar, disse que teve que viajar e ficou um bom tempo no exterior, me levou pra um motel, me comeu gostoso e como sempre, no final me deu um dinheiro, eu nem precisava pra falar a verdade, estava começando estabilizar minha vida financeira, mas como ela queria dar, aceitei, dinheiro nunca é de mais rsrsrs, já na segunda vez que saímos ela me chamou pra ir em sua casa, disse que nunca me levou lá por que estava casada, então fomos, era um apartamento em Copa Cabana, um apartamento por andar com elevador privativo, um verdadeiro luxo, depois descobri que ela era muito bem de vida, tinha uma rede de restaurantes, vários carros, ou seja , dinheiro pra ela não era problema, porem eu nunca fui olho grande, filho de pais pobres, acostumado a viver em casa bem humilde, estava alcançando meus objetivos financeiros, o que me interessava mesmo era aquela pica enorme que ela tinha, acabei frequentando direto a casa dela e o que era um simples sexo pago, virou um relacionamento, mas ai vieram as complicações, o padrão de vida dela era auto de mais pra mim, uma vez fomos a uma churrascaria ali em copa com os filhos dela, por que por mais que achem que sou mentirosa por dizer que gosto de mulher, ela tinha sido casada com uma e tinha dois filhos já adultos com essa mulher, essa mulher que conheceu ela como homem, ficou com ela um bom tempo mesmo ela se transformando em travesti, mas depois viraram só amigas, unidas apenas pelos filhos que respeitavam e chamavam a Cristine como pai, nessa churrascaria ela gastou mais do que eu recebia por mês em um almoço, achei aquilo um absurdo, e nem me atrevi a meter a mão no bolso, toda vez que saíamos, era isso, meu dinheiro não dava nem pra saída, uma vez ela quis ir na Boate Casa Grande, eu já estava acostumado a ir lá atrás de travestis antes, mas ela como dizia que era uma celebridade entre as travestis e não podia ir de qualquer jeito e nem com qualquer um, então resolveu me dar um banho de loja, disse que eu tinha que estar altura e comprou a roupagem completa, toda social, mas eu gostei de uma roupa mais despojada que vi na loja, só que era cara, perguntei então se poderia pegar, mas a resposta que recebi foi bem escrota” pega, fazer o que né, esse cu ta saindo muito caro”, me senti humilhado, mas como tinha pedido, abaixei minha cabeça, porem aquilo e outras situações foram me afastando dela, o ex dela ainda tinha seus cartões de credito, seu aluguel, as compras do mês e a gasolina do carro que ele dirigia que também era dela, tudo pago por ela, e eu estava sendo humilhado por porcaria? Aquilo não era pra mim, então cai fora e perdemos contato, pra quem quiser saber mais sobre ela é só procurar nas livrarias a sua biografia “Um homem chamado Lady Cristine”.
FOTOS DA MINHA BUNDA PRIMEIRA APLICAÇÃO DE SILICONE




Cine pornô é um lugar onde o sexo entre homens corre solto, os donos do cine, acredito eu que deva molhar a mão do guarda pra que eles não incomodem seus clientes, já que isso faria os cines ficarem vazios, muitos vão justamente por que sabem que podem fazer de tudo, sem se preocupar em serem pegos, o que é bem diferente dos banheiros públicos dos Shopping e das ruas onde rola pegação ao ar livre, as travestis também fazem do cine pornô um ponto de prostituição, quantas das vezes eu fui ao cine atrás delas, mas eu era malandro, escolhia bem quem eu queria e jogava meu charme, estava sempre duro e pagar programa estava fora do meu orçamento, conheci muitas trans assim, uma delas se chamava Marcela, era uma branca meia gordinha de bunda bem grande, eu sempre paquerava ela, mas nunca saia, pois ela só topava programa, engraçado eu estar do outro lado da moeda e agora eu que só saio ser for programa rsrsrs, mas um belo dia, eu estava no mictório me  masturbando e olhando as rolas dos outros homens, vendo se tinha alguma legal, pois dentro do cinema é muito escuro, dai a Marcela entrou no banheiro me agarrou por trás, arriou minhas calças, deu um tapa na minha bunda dizendo que bunda linda em, e foi pro box, fez isso de forma tão descontraída que todos que estavam ali no mictório acharam graça, veio um negão bem alto e gordo, entrou logo atrás dela, só via a cabeça dele por cima da porta do box, uns 5 minutos depois ela me chamou e mandou entrar também, nossa, que pica grande o cara tinha, uns 25 cm no mínimo, logico que ela não estava aguentando, mas não queria pedir arrego e devolver o dinheiro, então resolveu me usar pra terminar o serviço, ela me mandou chupar o pau dele, ela chupava comigo, as vezes me chupava também, chegou até a meter no meu rabo pra dar tesão a ele, mas na hora de dar, ela só queria que ele me comesse, ele doido pra comer ela, e ela dizia” calma mete no rabo dele que eu gosto de ver, isso me da tesão”, eu percebi o que ela estava fazendo, mas a pica era boa, não era sempre que eu tinha uma daquelas e deixei rolar, até que ele gozou, ela pegou o dinheirinho dela e eu sai satisfeito com o rabo todo arregaçado.
Tinha outra travesti nesse mesmo cinema que me deixava louco, era uma loira, da bunda grande seios bonitos, eu passei a ir só pra ter a chance de sair com ela, mas não queria um programa, por que sabia que depois disso eu seria somente um cliente pra ela e essa eu queria namorar, estava afim dela de verdade, mas ela nunca me dava bola, numa dessa idas acabei saindo com uma amiga de trabalho dela, era uma negra, não tinha o pau muito grande, mas tinha uma bunda bonita, só que quando fomos pro box, ela fez de tudo pra me comer, meu tesão nas travestis sempre foi pela bunda, mas essa fez de tudo até que conseguiu me comer e acabei só dando pra ela, ela gozou por que já estava indo embora e não queria sair de lá sem gozar, por isso me escolheu, eu tinha uma bunda bonita de homem, mas fui usado como um descarrego, tipo “ quero gozar pra ir embora e aquele parece ser bom pra me fazer gozar”, passou o tempo e voltei lá atrás da travesti que eu tanto queria, nesse dia ela me deu mole e eu joguei meu charme, o pior é que colou e ela topou, eu fiquei todo bobo,” hoje eu pego ela de jeito, essa travesti vai ser minha”, quando a gente estava indo pro box, eu na frente e ela atrás, a travesti negra que eu tinha saído antes, tinha acabado de fazer um cliente, passou por mim, me olhou de cima a baixo, sacou que eu ia entrar com a outra e quando passou por ela falou em dialeto pra que eu não entendesse” esse negão ai é viado, da o cu feito uma puta”, eu não entendi o que ela falou mas assimilei pela expressão corporal e pelo que aconteceu depois, a que eu queria me olhou com ar de desprezo e disse ” me poupe, maricona” e voltou a procurar clientes, eu fiquei sem graça e fui embora do cine e nunca mais procurei ela.
Já no cine da Pavuna conheci uma outra travesti que me tirou o sossego, essa também era loira, só que enorme de grande, o quadril dela devia ter uns 160 cm, a cintura era um pilão, os seios também enormes, nossa que loucura aquele corpo, pensei comigo” caralho, não posso sair daqui sem ter essa travesti nos meus braços”, ela rodava o cinema inteiro procurando clientes, mas nunca parava em mim, então fui pro box, nesse dia só tinha ela trabalhando lá, ela atendia nos boxes mas o banheiro estava vazio, quando tem travesti trabalhando, os gays ficam com medo de pegar os bofes por causa delas, então fiquei lá me masturbando e esperando ela entrar,  como só tinha eu lá dentro ela veio direto em mim,” quer fazer uma programa gatinho?”, isso já segurando meu pau, eu respondi que não , que estava duro, mas que se tivesse faria com maior prazer, que ela era muito gostosa, ela saiu e depois de uns minutos voltou, “ nossa, você é uma delicia, pena que ta duro”, isso novamente segurando meu pau, “to tentada em você sabia?” eu aproveitei a deixa e passei a mão na sua bunda, mas como sei que maioria ficava de olho na minha bunda também, fui deslizando a mão até chegar no seu pau que estava preso ainda dentro da calcinha, ai que ela pirou mesmo, botou o pau pra fora e eu tive a grande surpresa, era simplesmente enorme, muito grosso e já estava duro e todo babado, abaixei e chupei ela ali mesmo, ela então disse que ali não, que queria algo mais quente e pra isso precisava de privacidade, “me segue”, ela saiu da banheiro masculino e entrou no feminino, se o masculino entrava raramente alguns homens, no feminino não entrava ninguém,” aqui a gente pode ficar bem a vontade, ninguém entra aqui, só eu”, tirou a canga da cintura e forrou no chão, mostrando um rabo enorme e lindo coberto apenas por uma minúscula calcinha preta, que naquela pele bronzeada  ficava mais lindo ainda, ficamos pelados e foi uma loucura sem igual, a gente se chupava sem pudor, ora eu comia ela, ora ela me virava e metia em mim, ficamos mais de uma hora assim, numa orgia enlouquecedora, tive o prazer de comer aquela bunda linda quatro e ver meu pau sumindo macio naquele cu, também adorei sentar naquela pica e sentir arregaçar tudo até encostar no saco, meu pau perecia pequeno diante de uma bunda tão grande, meu cu parecia apertado engolindo aquela rola enorme, quando terminou ela me disse que que eu era tudo que ela queria, mas que era casada, o marido dela era um traficante violento, batia nela, mas ela gostava dele, só que depois que me conheceu, tudo tinha mudado, ele era só ativo, o sexo com ele era sem graça, ela gostava de ser ativa, por isso fazia programa “a gente sempre quer o que não tem, eu por ser casada com mulher e ser na maioria das vezes ativa, prefiro homens só ativos, que me comam bastante, por que isso eu não tenho em casa sempre” ela queria que eu fosse numa festa que ia ter no Barracão de Santo dela, mas eu preferi encontrar com ela ali no cinema, ainda mais que marido dela era bandido e eu não queria me arriscar, só que nunca mais a vi, depois descobri que o marido a matou por ciúmes.
Dentre muitas das loucuras que fiz por causa de uma trans, uma delas foi a Camila De La Costa, na época ela ainda estava em formação, mas já tinha um corpo bonito e uma bunda grande, eu estava passando de ônibus ali em Barros Filho, exatamente no retorno que passa por debaixo da Av. Brasil, quando a avistei na calçada, fiz sinal pra descer no próximo ponto, voltei quase que correndo atrás dela,” Camila é negra, na época com seios pequenos e bundinha empinada, hoje em dia ela tem seios enormes e uma bunda maior ainda e é a madrinha das travestis de Madureira, Barra, Freguesia e Campo Grande “, mas naquela época ela morava numa casa bem mais humilde numa favelinha que tem ali Barros Filho na beira da Av. Brasil, eu encontrei ela saindo de um açougue, me aproximei e comecei a puxa assunto, disse que estava num ônibus que passei e vi quando ela estava na calçada e não resisti, desci pra falar com ela, não demorou muito e eu já estava tomando café na casa dela, naquele dia comi muito aquele rabo gostoso da Camila, mas como era já hábito meu, não voltei pra experimentar de novo, sempre fui muito difícil de me prender a alguém, ao mesmo tempo que agia por tesão sem pensar, analisava o que estava acontecendo e julgava se era bom pra mim ou não, num outro dia eu estava no desfile das escolas de samba” Apoteose”, quando à encontrei desfilando, no final do desfile fui falar com ela, mas mesmo assim não rolou, fiquei lá até amanhecer, quando terminou tudo, todo mundo voltando pra casa, tinha uma travesti bem baixinha no ponto de ônibus, resolvi pegar o mesmo ônibus que ela, sentei do lado dela, não deu outra, ela me chamou pra ir em sua casa pois morava sozinha, ela é uma coroa, cintura fina e quadril largo, tipo balzaquiana, interessante, parecia mulher e seu nome era Nelma, eu doido pra comer aquele rabo, mas ela não queria me dar de jeito nenhum, disse que estava vindo da pista e tinha dado de mais, estava com tesão mesmo era pra comer um rabo, tinha uma piroquinha minúscula, ela curte infantilismo sexo em que a pessoa fantasia ser ou estar com uma criança na hora do sexo”, no caso dela a criança era ela, ainda bem por que se eu tivesse que ser, não iria rolar, ela começou a chupar uma chupeta e falava feito criancinha, enquanto me comia de frango assado, o mais engraçado é que quando trabalhei na Augusto Severo, ela também trabalhava lá, mas não me reconheceu, eu já de mulher é claro, acho que nem se me visse como homem, não deve ter sido algo que tenha marcado sua vida sexual, mas teve um dia que ela estava com tesão, estávamos nos arrumando no banheiro do motel, depois de um programa a gente sempre faz isso, pois é melhor do que se arrumar dentro do quarto com o cliente em cima da gente observando, ela começou a alisar minha bunda dizendo que estava com um tesão, doida pra comer um rabo, eu de sacanagem arriei a calcinha e falei “  vem”, pensei que ela estava de sacanagem, mas ela botou a camisinha e meteu mesmo, a mesma piroquinha, nem fez cocegas, mas a situação deu tesão, tivemos que parar e disfarçar rapidamente, pois uma de nossas amigas entrou no banheiro, mas ela nem percebeu o que estava acontecendo, Nelma é uma coroa, mas de corpo bonito, é bem baixinha, curte Scat, cheiro sebo no pau, esses tipo de coisas, quem curte é só procurar ela lá na Augusto Severo, pois ela ainda atende ali, pertinho do Banco do Brasil.
FOTOS ATUAIS DE CAMILA DE LA COSTA









FOTOS ATUAIS DE NELMA







Numas das minhas idas a praia do Flamengo, encontrei uma travesti sozinha pegando sol, ela tinha uma bunda enorme, me chamou muito atenção, geralmente as travestis das antiga tem o corpo moldado pra ser mulherão, tipo GG, as atuais estão preferindo o corpo com menos proporção pra ficar mais parecidas com uma mulher de verdade, eu pessoalmente prefiro a tendências das travestis antigas, não é atoa que tenho a bunda bem grande, a paquera rolou e ela me chamou pra conversar, depois de uma sacanagem leve ali na praia, mão aqui, mão ali, ela me chamou pra ir para sua casa, só era longe, mas como eu era meio maluco naquela época, partimos para Santa Cruz, chegando lá ela morava com um gay e um Poodle, a maioria das travestis tinha um Poodle, ficamos conversando até tarde da noite, a gay foi dormir, então começamos a brincadeira, eu doido pra comer aquele rabão, mas ela insistia em me comer primeiro, disse que já tinha esperado muito e eu cai na lábia dela, uma hora e meia mais ou menos me comendo de tudo quanto é jeito, até que finalmente ela gozou, mas eu não, ainda estava tarado naquele rabo, só que quando fui tentar comer a resposta que recebi foi a seguinte “ meu amor, sinto muito, mas depois de gozar eu não dou o cu pra ninguém”, e fiquei mesmo na vontade, fui dormir injuriado, coisa de uns 3 anos depois encontrei a mesma travesti, no mesmo lugar, o mais engraçado é que nem eu e nem ela lembrávamos um do outro, eu tinha apenas a impressão de já ter visto ela, mas como não saia do Flamengo, achei que tivesse visto dali mesmo, mesma história, conversamos e ela também teve a impressão de já me conhecer, fomos pra sua casa e foi só chegar na sua rua que minha memória começou a funcionar, mesmo cachorro, mesma gay, a casa não tinha mudado muito, só que dessa vez não dei mole, levei ela pro banheiro pra tomarmos um banho juntos, e quando ela veio com papo de que queria me comer eu simplesmente disse “ eu sou só ativo, se quiser que eu vá embora tudo bem, mas da a bunda não rola”, ela claro que voltou a trás “ não, tudo bem me desculpa, é que vc tem uma bunda muito bonita, mas sei respeitar”, nesse dia eu me acabei naquele rabo, matei aquela vontade que ficou da outra saída, valeu a pena a viajem até Santa Cruz, mas não voltei mais lá.
Mas minhas idas a praia não me rendia só travesti, as vezes umas mulheres me paqueravam, geralmente ficava só no bate papo, mas já comi algumas que conheci ali no Flamengo, , mas a maioria das mulheres que eu pegava era em outra situação, a praia dava mais viado mesmo, teve uma vez que conheci duas mulheres e um gay, elas eram da Paraíba e estavam visitando o Rio, eram bonitas , irmãs e amigas do gay, o engraçado é que os três me deram mole, eu me engracei pela mais bonitinha é claro, também era mais safadinha, ela deitada pegando sol, puxou a parte de baixo do biquíni pro lado e me mostrou sua buceta na praia com os pelos todos douradinhos, fiquei cheio de tesão, a tarde eles resolveram ir embora e me chamaram pra ir junto, eu fui até a casa do amigo delas onde elas estavam hospedadas, mas antes da gente entrar ele fez questão de me mostrar o salão onde ele trabalhava, que era no mesmo prédio onde ele morava, ficamos no salão conversando e na primeira deixa arrastei ela pra escadaria do prédio e comi ela ali mesmo, sexo rápido, porem gostoso por causa do perigo de aparecer alguém e ver, quando voltamos ela ficou seduzindo a irmã pra dar pra mim também, segurava meu pau por cima da roupa e apertava mostrando pra ela o volume e falando o quanto era bom, não contente ela pôs pra fora e ficou me masturbando ,meu pau ficou duro e a irmã veio em minha direção, mas quando esticou a mão pra pegar, uma prateleira de vidro onde ficava um São Jorge, quebrou do nada e caiu o Santo no chão, o gay ficou desesperado dizendo que aquilo era um sinal, que ele sabia que não podia rolar putaria ali, por que ele consagrou o salão aos Santos, em fim , acabou pegando Santo e o negocio ficou sem graça, eu descrente não acreditei em nada do que ele falava, ele se cortou todo no vidro quebrado e depois daquela bagunça toda eu fui embora e também nunca mais voltei, outra situação com mulher foi numa vez que estava na praia a noite  procurando uma putaria, quando passou um grupo por mim, no meio deles uma sapatona, do tipo bem masculina, mas com uma bunda enorme, fiquei logo na intenção dela, mas quem me deu mole foi um gay que estava com eles, veio até mim e me cantou, perguntou se eu estava afim de uma brincadeirinha, respondi que sim, mas com ela, ele respondeu que ela não curtia homem, então eu disse que não ia rolar, só se ela participasse, ele conversou com e ela e conseguiu convence-la, fomos os três então em direção ao seu apartamento, por coincidência, ela estava hospedada na casa dele, só que no meio do caminho ela achou uma mulher e acabou ficando com ela, eu fiquei frustrado mas já estávamos quase na casa dele, então resolvi ir assim mesmo, ele me fez uma massagem maravilhosa, me deixou todo relaxado, mas quando começou a me chupar, meu pau não ficava duro, não tinha tesão nele, depois de um tempo ele desistiu e fomos dormir, os dois na mesma cama, uma hora depois ela chegou, armou um colchonete no chão e deitou, meu tesão voltou na mesma hora, comecei a alisar a bunda dele, meu pau ficou duro, ele começou a me chupar, depois ficou de quatro e eu soquei seu rabo, via ela levantar a cabeça pra olhar na penumbra do quarto, aquilo me dava tesão, ela não resistiu e subiu na cama, ai eu mais que imediatamente comecei a chupar ela e depois meti gostoso naquela buceta, aquilo acabou sendo uma brincadeira muito gostosa, numa outra situação eu conheci um grupo de gays, tinha um coroa que ficou doido comigo, ele dizia que era artista e queria fazer um quadro meu, nu artístico e não podia me ver que grudava em mim, mas tinha um dos gays que me chamou atenção pelo tamanho da bunda, então sempre que eu ia a praia ficava perto deles e dava um jeito de paquerar ele esperando a oportunidade certa, até que um dia rolou, marcamos um motel e fomos, eu não satisfiz meu desejo naquela bunda, não como eu queria, ele não aguentou muito, nem cheguei a gozar e ele me pediu pra parar, muito apertadinho, mas alguns anos depois passando ali pela Augusto Severo, encontrei uma travesti loira, com a bunda linda, fiquei maluco naquele rabo, chamei ela, perguntei quanto era o programa e levei, ela me aguentava fácil, eu já no quarto a reconheci, era o gay que eu tinha conhecido na praia e que não me aguentava direito, estava uma delicia de gostosa e muito mudado, até de rosto, se chamava Renata, falei com ela quem eu era e ficamos conversando, saímos uma vez só, ela era casada, depois já transformada em travesti e trabalhando na Augusto também, encontrei ela novamente, ela não me reconheceu, mas eu sou safada do jeito que sou, levai as fotos que tirei dela no dia em que fiz o programa e mostrei, ela ficou boba e só acreditou que era eu por que viu as fotos, mas ninguém lá ficou sabendo que ela tinha dado pra Sandra Backer.
FOTOS DE RENATA







Outra travesti que marcou minha história foi a Marcela de Bangu, ela trabalha até hoje ali no cine Orly na Cinelândia, eu achava a bunda dela linda, mas confesso que o que mais me chamava atenção era a frequência que ela atendia os clientes, pensava, “porra essa travesti tem cara de ter um pau enorme”, um belo dia ela me chamou pra um programa, eu respondi que estava duro, mas ela insistiu, “duro aqui ninguém vem totalmente, quanto você tem?”, "tenho apenas 10 reais sobrando", ela deu uma volta e disse, “ta bom vou fazer você, mas vai ser rapidinho em”, nem fomos pro box do cine, fomos pra uma escadaria que parecia sem saída, tinha uma porta que ficava trancada no final dela e alguns homens faziam pegação ali, começamos a brincar, ela me chupou gostoso, depois me deu o pau pra chupar, não era tão grande quanto eu imaginava, mas era gostoso, depois eu a virei de costas e comecei a meter nela, de repente ela virou e disse que era sua vez, e nisso fomos fazendo um troca-troca cada vez mais quente, ora eu chupava, ora ela me comia, depois me chupava, eu comia ela, cada um metia um pouco e os homens do cine se agruparam  na escada pra olhar nossa foda e se masturbar, eu comendo ela e ela começou a dizer que queria que eu gozasse, “goza gostoso no meu rabo goza, goza meu preto lindo”, eu pensei que ela queria terminar o programa, então meti com mais força e gozei, quando isso aconteceu ela reclamou, “por que você fez isso, estava tão gostoso nossa foda”, “você pediu pra mim gozar , pensei que queria terminar o programa”, ela falou que estava dizendo aquilo por que estava com muito tesão, mas não queria parar, então me deu seu telefone e disse que na próxima vez seria na sua casa e sem ser programa, é claro que liguei, marquei e fui, ela morava sozinha num apartamento em Bangu, nesse dia tiramos várias fotos, ela adorava se exibir, era muito safada, passamos a noite fudendo, começamos na sala, sofá, mesa, a poiada na janela e eu socando aquele rabo sem parar, depois fomos pro quarto, coloquei ela de quatro e meti a língua naquele cusão preto lindo, que delicia, já estava todo arrombadinho, adoro enfiar a língua lá no fundo, ela com minha linguadas foi arriando o corpo e colocou as mãos no chão ajoelhada ainda em cima da cama, aquela bunda ficou toda empinada ao meu dispor, eu então comecei a enfiar um dedo, dois e fui enfiando, até que minha mão entrou toda naquele cu, que visão maravilhosa, que sensação gostosa sentir aquele cu quentinho apertando minha mão, eu pela primeira vez fistei um rabo, nem sei por que fiz aquilo, mas aquela bunda parece que me convidou a fazer assim, achei uma delicia e passou a ser mais uma das minhas fantasias sexuais, o FIST, como ela era puta na cama, bem devassa, assim como eu rsrsrs, acabamos mantendo um relacionamento que não durou muito, Marcela era psicótica com homens exploradores, até entendo ela hoje em dia, tem muitos caras que acham, que se ficarem com uma travesti, vão ter boa vida, por que travesti ganha bem fazendo programa, mas eu não pensava assim, discutimos algumas vezes por causa disso, então resolvi que não daria certo e foi cada um pro seu lado, ela adora ir no Casa Grande, teve uma vez que fui até lá e encontrei ela dentro do Dark Room, estava tão escuro que ela não me reconheceu, lá tinha uma travesti loira, bem velha, que estava dando pra geral, o local estava cheio, mal dava pra se mexer, um calor agonizante, mas o cheiro de sexo, a sacanagem que rolava ali parecia prender a gente naquele lugar, a Loira estava com um cara comendo o cu dela enquanto ela passava a mão nos caras que estavam em volta se masturbando, pegando na pica deles e pulando de uma pica pra outra, assim que ela pegava numa que gostava, desengatava do que estava comendo ela e enfiava a outra pica no lugar, de repente ela alisou meu pau por cima da calça, fez força pra botar meu pau pra fora e eu deixei, foi meu erro, ela ficou doida com minha pica, largou o cara que estava comendo ela e veio querendo que eu metesse nela, mas eu não gostei dela, nem pela aparência, nem pelo cheiro que saia do seu corpo, então disse que não estava afim, mas ela insistia, virava de costas pra mim segurando forte minha pica e tentando enfiar no cu, quando ela percebeu que não ia rolar me ameaçou, “olha aqui sua maricona escrota, aqui é boate de travesti, se eu te pegar dando o cu ou mamando alguém eu te meto a porrada” , eu ri e ela ameaçou de novo" vai ficar curtindo com minha cara, quer  ver eu te cortar todinho aqui sua gay gorda”, não me intimido com essas coisas, mas achei melhor sair dali, depois ela me achou na boate novamente e veio me alisando, dizendo que eu era gordo mas que era bonitinho, que estava muito afim de mim, eu novamente dispensei ela e ela ficou puta “ ta bom, mas se eu te pegar com os bofes daqui já sabe”, eu voltei pro Dark Room e achei a Marcela lá dentro dando o cu adoidado, assim que o cara que estava comendo ela saiu, eu meti dois dedos no rabo dela e puxei ela literalmente pelo cu, ela não resitiu, demonstrando que gostou da forma que eu dominei ela no meio dos outros homens, meti a pica naquele bundão que já estava todo largo e meladinho de tanta pica, assim que meti ela falou, “ nossa, que pica é essa, que delicia”, foi ai que conseguiu me reconhecer, claro que eu continuei socando aquele rabo, a Loira entrou e me viu engatado na Marcela, chegou bem perto e segurou meu pau que entrava e saia daquele cu gostoso e disse” ai amiga, eu também quero essa rola, que delicia”, mas eu não larguei aquele rabo, até ficar satisfeito, depois fui embora da Boate, eu depois que me transformei tentei comer ela a Marcela ali na Boate, mas ela disse que não rolaria, que agora éramos irmãs, fazer o que né rsrsrs.
FOTOS E MACELA DE BANGU






Mas teve ,muitas outras trans que eu comi e não relatei aqui, mas vou deixar aqui no final dessa postagem as fotos das que consegui fotografar para que admirem e imaginem as situações gostosas que vivemos juntos.
Depois de tentar tanto com as trans e não dar certo, desisti e resolvi dar um tempo de tudo, me dedicar ao trabalho, eu tinha me separado da minha primeira esposa, mas sai do casamento somente com minhas roupas, sem casa fui morar com minha irmã, fiquei lá por uns 2 anos, voltei a pegar só as  mulheres, mas não conseguia me apegar a ninguém, até que um dia conheci uma coroa negra, da bunda enorme, fiquei fascinado naquele rabo, insisti até que consegui pegar ela, parecia ser uma pessoa bem tranquila, mãe de dois filhos, casada, séria, mas na cama era uma puta, o sexo era muito gostoso e aquilo foi me prendendo, uma dama na rua e uma puta na cama, era tudo que eu queria, acabamos firmando o namoro, nessa época eu já começava a usar a internet e comecei a perceber que ela se interessava um pouco de mais pelas imagens e vídeos de homens tranzando com homens, comecei a pensar se contaria pra ela do meu passado, aquilo me perturbava a mente, tinha vontade, mas tinha medo da reação, até que um dia estávamos sozinhos na casa da minha irmã e eu perguntei o que ela sentia ao ver dois homens tranzando, ela me respondeu que achava aquilo muito sexy, dois homens agarrados, um comendo o outro, ela ficava toda molhada, então falei “ acho que vou me arrepender disso, mas vou fazer, quero te mostrar uma coisa”, peguei uma fita VHS, por que naquela época a gente usava vídeo cassete, e pus a fita pra ela ver, era uma tranza que tinha feito um tempo atrás , eu e mais dois caras, um era o Marcio, um pretinho que conheci na rua num ponto de pegação na Pavuna, ele se aproximou de mim e eu logo fiz cara feia, “ olha, to afim de ficar sozinho ta ok”, ele me perguntou se eu queria ver sua bunda, e eu respondo que não estava interessado, eu frequentava pontos de pegação, mas era muito seletivo, escolhia bem com quem eu queria ficar, já que a maioria sempre vinha me cantar, então ficava fácil escolher, muitas das vezes eu saia de lá sem fazer nada, ele então me respondeu” olha que você vai gostar em, todo mundo elogia muito minha bunda”, “Ok, quer mostrar, então mostra”, ele arriou as calças ali na rua, era de madrugada e ali é escuro e deserto, por isso se tornou um ponto de pegação, hoje em dia os ponto de pegação viraram ponto de viciados, os homens não vão mais pra rua de madrugada a procura de sexo, mas sim de drogas, infelizmente, mas quando ele arriou as calças,  ele era magrinho, mas tinha uma bunda enorme, perfeita, “nossa, que bunda é essa, você colocou alguma coisa pra ficar assim?”, ‘ não falei que ia gostar, minha bunda é natural”, não perdi tempo arrastei ele pra uma casa que estava com o portão aberto e comi ele ali no quintal da casa, mas tivemos que sair correndo por que o cachorro do vizinho começou a latir com o barulho que a gente fazia fudendo, e logo o pessoal da casa acordou, mas mantivemos amizade por anos e saímos varias vezes, mas sempre íamos ao motel e era muito bom, ele era mais passivo que ativo, brincávamos gostoso, mesmo por que eu adorava comer aquele rabo, o outro que estava comigo no vídeo era o Sergio, esse eu conheci na praia do Flamengo, pra quem ainda não sabe, a praia ali nos arbustos rola pegação a noite toda, agora rola bem pouco, por causa dos assaltos, mas antigamente era pra mais de 20 caras fudendo até em grupo ali, ainda hoje em dia na virada de ano, pra quem curte uma boa putaria, a praia depois da queima dos fogos, é só putaria, o bom desse dia é que rola de tudo, travestis, homens e mulheres sempre vão ali na virada pra fuder ao ar livre, encontrei o Sergio altas horas da noite, destacado dos outros caras que estavam ali procurando sexo, ele estava com dois caras, os dois estavam mamando ele ao mesmo tempo, eu me aproximei pra ver a sena e pude ver o quanto a pica dele era grande, parecia um braço, ele é negão, alto, meio coroa, os caras que chupavam ele eram brancos de seus 20 e poucos anos, quando cheguei mais perto os caras começaram a reclamar, “ é foda, agente se destaca pra ter um pouco de privacidade, mas sempre vem um viado pra atrapalhar a foda da gente”, eu que nunca gostei de incomodar, sai de perto e deixei eles a vontade, mas logo que sai comecei a escutar um psiu atrás de mim, quando olhei era o Sergio me chamando, ”oi tudo bem, posso falar contigo?”, eu respondi “ você não estava com aqueles caras? eu vi que eles  não gostaram da minha presença e resolvi sair de perto”, “é eu percebi, mas quando te vi fiquei maluco, você é muito bonito e eles não fazem muito o meu tipo, eu só estava ali por falta de opção”, dai conversamos um pouco, ele me explicou que era só ativo, que ficou louco na minha bunda e me chamou pra sair dali e ir pra sua casa, ele morava em Benfica, eu pensei, uma pica dessas vale a pena, e fui, ele morava sozinho, nessa noite fudemos até o dia clarear, fiquei com o rabo todo ardido, mas satisfeito, ele não gozava, era do tipo que  metia horas sem gozar, acho que aprendi isso com ele, segurar o gozo, nunca gostei de gozar duas vezes na mesma foda, a segunda nunca é igual ao prazer da primeira gozada e o tesão diminui muito depois de gozar, apesar que adoro que o macho continue me comendo depois de gozar, mas isso é só quando a foda é na pele, e não é pra qualquer um, escolho bem quem vai fazer assim comigo, mas adoro ser fudida com o cu todo gozado, quem já experimentou sabe do que eu estou falando, no caso do Sergio eu pedia arrego, ele fudia direto, quando meu cu começava a arder eu falava pra ele gozar se não a brincadeira ia parar e ele ia ficar na mão, mas ele sempre segurava mais um pouco, ficamos saindo por anos, só paramos quando comecei a me transformar em travesti, ele quando me viu com silicone na bunda pela primeira vez, me contou uma história de uma cara que ele comia, era lindo, tipo modelo, eles namoravam sério, pois ele é homossexual assumido, até que um dia o namorado botou silicone na bunda e ele falou, “olha só, não curto travesti, se você se transformar em um nosso lance acaba, gosto de homem com corpo e jeito de homem”, o cara não ouviu e resolveu se transforma, e acabou o relacionamento dos dois, me contou isso pra me avisar pra não virar um, mas não adiantou também, eu aos poucos fui me transformando e ele perdeu realmente o interesse em mim, mas antes disso fizemos um vídeo, eu, Sergio e Marcio, eu na verdade armei tudo com o Marcio, na época eu saia com os dois, mas eles não se conheciam, eu marquei com o Sergio e chamei o Marcio sem ele saber, como o Marcio era passivo e falei que ele tinha uma rola enorme, ele topou de cara, peguei a filmadora da minha sogra emprestada, pois eu ainda estava no meu primeiro casamento, me encontrei com o Marcio e fomos nos encontrar com o Sergio, ele era chato com essas coisas, não gostava de pegar qualquer um, logo reclamou da presença do Marcio, mas eu disser que não armei nada, que encontrei ele por um acaso ali e que comentei que ia fazer e ele me perguntou se podia participar, Sergio acabou topando e fomos pra um motel, quando chegou lá assim que puxei a filmadora da bolsa, ele falou, “encontrou sem querer né, essa câmera você trouxe por um acaso, sei”, eu  ri e ele falou que eu não prestava, nesse dia foi show, eu chupava o pau do Sergio enquanto o Marcio me chupava, Sergio começou a me comer, o Marcio filmava a sena e as vezes dava um jeito de me chupar enquanto eu tomava no cu, aquela rola por mais que eu desse pra ele, sempre entrava me rasgando, eu adorava aquilo, mas a brincadeira era a três, então mandei ele comer o Marcio, Marcio deitou no cavalinho de barriga pra cima, ficando de frango assado, Sergio então começou a meter nele nessa posição, eu subi em cima dele, tipo como se fosse cavalgar e dei a pica pra ele chupar, enquanto Sergio tentava meter no cu dele, mas não sei por que motivo ele não conseguia manter a ereção, então enfiava o dedo no meu rabo pra estimular o tesão, apesar da posição eu filmava a sena toda,  Sergio não conseguiu comer ele direito, então me puxou pra chupar sua pica e botar ela dura, chupamos os dois juntos, eu e Marcio, depois ele me jogou em cima do cavalinho e meteu no meu rabo, claro que o Marcio percebeu que comigo ele não broxava, isso da um nó na cabeça da pessoas, ainda mais por que a bunda do Marcio era mais bonita do que a minha, mas acho que era esse o problema, Marcio tinha uma bunda muito feminina, nas fotos ele de quatro parece uma mulher e Sergio não curtia mulher, ele era homossexual e não bi, eu dava o cu pro Sergio e chupava a pica do Marcio, enquanto ele filmava a sena, depois sentei no chão e mandei o Marcio sentar na minha pica, não ia deixar ele sair de lar sem dar o rabo, ficamos assim com ele cavalgando na minha pica, enquanto Sergio filmava e dava a pica pra nos dois chuparmos juntos, estava uma delicia, por ultimo eu apoiei o Marcio no cavalinho, em pé com a bundinha empinada e meti no rabo dele, Sergio veio por trás de mim e meteu no meu, fizemos um trenzinho maravilhoso, pena que eu não consigo tirar a imagem do VHS pra digitalizar e mostrar aqui, eu gostei muito da filmagem que a gente fez e tenho ela guardada até hoje.
FOTOS DO MARCIO



FOTOS DO SERGIO




Quando minha namorada começou ver o vídeo, sua fisionomia mudou, ela ficou totalmente séria, assistiu o vídeo todo sem dar uma palavra, depois que terminou se arrumou e disse que estava indo pra casa, eu apenas concordei e não falei nada, pensei “fiz merda, não devia ter mostrado nada”, mas no outro dia ela me ligou pedindo desculpa, disse que foi um choque, mas que na verdade ela já desconfiava, e que ela gosta mesmo daquilo, então por que não curtir comigo, desse dia em diante nosso relacionamento mudou, passamos a procurar experiências juntos na internet, sempre com homens só, ela não curtia outra mulher, como eu gostava de homens e também tinha muita tara em ver minha mulher com outro cara, pra mim estava tudo bem, juntos saímos com muitos homens, as vezes ela saia sozinha e me contava como foi e a gente fudia contando nossas aventuras solo um pro outro, teve uma vez que um negão entrou em contato comigo, ele estava interessado na minha namorada e queria sair com ela, ela não estava muito afim, mas como eu insisti, ela falou “ ta bom, a gente vai, mas só pra conversar, eu não vou sair com ninguém, a gente conversa e vem embora, cada um pro seu canto, ok?”, concordei e fomos pra Pç da Matriz, local do encontro, chegamos lá primeiro, mas logo depois chegou ele, na discrição que me passou, “ negro, 1.90 de altura, corpo sarado, roupa e tudo  mais”, falei pra ela que era ele e vi nos olhos dela um brilho acender, conversamos um pouco, ele era calmo, educado e simplesmente lindo, de corpo e rosto, parecia um deus africano, chamei ela num canto e perguntei ” e ai, vamos embora, ou quer levar ele junto?”, ela riu e disse, “ caramba, ele é lindo, eu quero ele, leva ele pra mim leva”, então chamei ele pra ir na nossa casa, nessa época eu já tinha alugado uma e morava sozinho, então fomos os três, mas quando passei por uma praça que tinha perto da minha casa, vi meu irmão conversando com uns amigos, passei quietinho pra ele não me ver e aparentemente deu certo, entramos em casa, que era toda fechada, uma vez lá dentro, era privacidade total, já quis assim pra poder dar minhas aprontadas com tranquilidade, ele foi tomar um banho e mandei ela tirar a roupa e ir tomar banho com ele, eu fiquei no quarto esperando e a brincadeira começou no banheiro mesmo, escutava lá do quarto, o tcheco-tcheco do barulho dele socando nela toda molhada debaixo do chuveiro, depois eles foram pro quarto, ela começou a chupar ele, ele tinha uma pica linda , não era enorme, mas era cheia de veias, cabeção, uma delicia de chocolate, ela chupava com vontade enquanto ele chupava ela num meia nove pra lá de quente, eu apenas fotografava a sena, depois ela subiu em cima dele e cavalgou gostoso, gemia alto, os dois suavam muito, estava bom de mais ver aquilo tudo, dava pra ver o tesão saindo dos corpos deles, as vezes a pica escapulia e eu dava uma mamadinha, por que não sou de aço, mas meu tesão estava em ver os dois fudendo feito loucos, então encaixava a pica dele de volta nela, ele colocou ela de quatro e socou forte naquele bundão dela, dava tapas na bunda, dizia o quanto a bunda dela era linda, depois disse que ia gozar, ela imediatamente abocanhou o pau dele e fez ele gozar nela, era muita porra, escorria pelo saco dele, depois ela veio e me beijou,  me passando toda a porra dele pra mim beber, pensei que ia parar por ali, mas ele colocou ela novamente de quatro e voltou a socar forte, dizendo que ia fazer isso o dia todo, mas pra nossa surpresa, meu irmão começou a chamar no portão, falei pra gente ficar em silencio que ele ia desistir e ir embora, mas ele continuava a chamar incessantemente, acredito que alguém me viu passar e falou pra ele, por isso ele não desistia, então me enrolei numa tolha e fui até lá, apesar de não estar fudendo, eu estava todo suado, me masturbando e tirando fotos, “ que foi cara, olha só eu to fudendo, e você esta atrapalhando minha foda, o que você quer, é urgente?”, ele todo sem graça disse que precisava conversar comigo, então mandei ele voltar pra Pç e me esperar, que ia tomar um banho, claro que isso foi a forma que arrumei pra poder desfazer a situação, o nosso amigo tomou um banho e se arrumou, pedi desculpa, ele falou que estava tudo bem , que era uma pena, por que a intenção dele era só sair de noite, quando fosse trabalhar, levei ele por um caminho diferente e depois fui ver o que meu irmão queria, minha namorada e eu conversamos depois de tudo passar, “ caramba que negão gostoso, esse eu ia dar o dia inteiro, pena que seu irmão atrapalhou”, infelizmente ele sumiu depois disso e foi só essa vez, apareceu recentemente com perfil no Sexo com Café e no Sexlog, cantando a mim e minha esposa atual, dessa vez ele disse que ia fuder muito meu rabo, que agora eu estou muito gostosa rsrsrs.
FOTOS DELA COM ELE























Eu e minha ex aprontamos muitas coisas juntos, no cinema, na praia, éramos muito loucos, eu estava curtindo por que pela primeira vez eu não precisava mentir, tinha um relacionamento liberal e ela curtia tudo que eu curtia, as vezes íamos pra praia e ela dava pros caras que estavam lá procurando putaria, numa dessa idas conhecemos o Marcio de Niterói, era um negão da pica grande e bonita, ela queria ver os homens fodendo na praia como eu tanto falava pra ela, mas toda vez que a gente chegava perto, eles desarmavam a situação, então mandei ela dar a volta sozinha por um lado que eu iria pelo outro, assim ela ia ver, quando encontrei com ela do outro lado, ela me disse que viu um negão da pica enorme, que ele ficou balançando a pica pra ela e me mostrou quem era, um outro dia eu encontrei ele no mesmo local procurando putaria, me aproximei e ele ficou correndo de mim, até que finalmente em uma das tentativas de me aproximar ele começou a reclamar, dizendo que ia me dar porrada, por que não estava afim, ai eu disse ” me espera, quero te fazer uma proposta”, ele parou e me esperou, “lembra de mim, eu estava aqui um dia desse com minha namorada, ela viu sua pica e ficou com vontade de sair contigo”, ele finalmente se lembrou e  sua postura mudou, depois de um bom papo marcamos um encontro a três, ficamos conversando por um bom tempo, ele me perguntou se eu queria chupar sua pica, eu disse que não, sou um pouco orgulhoso, ele demonstrou claramente que não estava afim de mim, então perdi o interesse, mas queria satisfazer a vontade de minha companheira, no dia marcado pegamos um motel ali pela Lapa, entramos os três juntos, mal entramos e ela já foi abrindo as calças dele e abocanhando sua pica, realmente era uma pica linda, ela me chamou pra chupa junto com ela, o que fiz sem frescura, mas nesse dia foi tudo que eu fiz com ele, chupar sua pica, ele botou ela de quatro e meteu nela enquanto ela me chupava, depois invertemos , ela estava toda satisfeita com duas rolas pretas, mas infelizmente ele gozou e assim que isso aconteceu parecia ter perdido todo o interesse na foda, isso foi coisa de uns 15 minutos de foda, eu fiquei comendo ela em quanto ele dizia que tinha vários compromissos, que não ia poder ficar muito, mas eu demoro muito gozar, então falei que se ele quisesse ir que podia, a gente ia ficar mais um pouco, ele ficou sem graça mas foi se arrumando lentamente, até que demos uma parada , ela queria tomar uma ducha, ele foi atrás dela no banheiro e deu a saideira, parecia que pra não perder pra mim, tipo para salvar a honra, eu não fui atrapalhar deixei eles foderem a vontade, depois ele se arrumou e foi embora e nos ficamos no quarto, ela falou que a foda no banheiro até foi legal, mas que achou ele estranho, depois disso saímos outras vezes, ele passou a ir na minha casa comer ela e no embalo me comia também, ela adorava me ver dando o cu, mas era sempre uma foda rápida de mais e sem graça, acabamos não querendo mais sair com ele, mas a amizade permaneceu, ele ainda comeu minha segunda esposa, que foi um relacionamento depois desse, e tenta até hoje comer minha esposa atual, mas ela não esta afim ,mesmo por que eu disse que pica ele tem, só não sabe usar direito, e ela sabe que se fosse bom eu faria questão de dizer isso a ela.
FOTOS DO MARCIO



Como eu disse antes, conheci uma travesti que acabei mantendo um relacionamento, isso enquanto eu estava com esse namoro bissexual com essa mulher que acabei de relatar, ela não se importava deu ter um relacionamento a parte com uma travesti, por que ela era casada, tinha dois filhos e não pretendia largar marido e filhos pra ficar comigo, nosso caso era só satisfação de fantasias juntos, mas eu aceitei a proposta da travesti de colocar silicone na bunda “nascia ai o MULATO BUNDUDO”, esse foi o primeiro passo pro nosso relacionamento desandar, eu na verdade estava com três relacionamento ao mesmo tempo, minha a companheira casada com outro homem, a travesti que eu passava uns dias na casa dela e o Sergio que era uma amizade colorida, depois que coloquei o silicone os três relacionamento deram uma abalada, um esfriamento, minha companheira passou a evitar nossas brincadeira a três e se incomodava até quando eu usava calcinha, o Sergio foi sumindo aos poucos, até que não me procurou mais, meu romance com a travesti acabou como eu tinha dito aqui antes e minha companheira também cada vez  mais diminuía as visitas em minha casa, dizia que estava sem tempo, acabei me sentindo carente e arrumei uma namorada, ela era nova e morava perto da minha casa e me fazia companhia a noite enquanto a outra não vinha me ver, mas era tudo escondido, por que eu já tinha namorado a mãe dela há alguns anos atrás e não queríamos que ela soubesse que estávamos saindo, quando minha atual descobriu, brigamos e tal, mas ela acabou entendendo e aceitando, mas foi só impressão, depois de um tempo tivemos uma briga feia por causa do meu namoro, ela foi na casa da outra, levou fotos minha usando calcinha, disse que eu era viado e que minha bunda tinha silicone, que ela tinha pago pra mim por e cansava de me comer e me ver dar pra outros caras, depois de fazer isso tudo ela foi pra vida dela, pra junto do seu marido e paramos de nos ver, mas a outra ficou interessada mesmo assim, conversamos, eu assumi as coisas que eu gostava pra ela e ela acabou assumindo as coisas que gostava pra mim, na verdade ela era bissexual e tinha um grupo de inversão, eram três meninas, todas novas que adoravam comer bunda de homem, quando começamos a sair, eu que já tinha bunda grande e ainda coloquei silicone, chamava muita atenção, por que gostava de usar calças apertadas, as amigas dela então sempre perguntava a ela se ela já tinha me comido e se não ia dividir aquela bunda linda com elas, minha bunda é claro, mas ela sempre negou, dizia que eu era macho, mesmo depois de saber que eu gostava de dar, claro que elas não acreditavam, “ ta bom, você vai querer me dizer, logo você que adora comer um cu, que ta deixando aquele bundão dormir do seu ladinho e nunca tentou comer, sei”, nosso relacionamento era diferente do anterior, passamos a morar juntos, mas quando eu marcava com os caras, eu pegava eles sozinho, quando ela marcava ela pegava sozinha, acontecia, mas era difícil da gente dividir o mesmo piru, mas quando eram CDs, ou homens querendo dar pra mim ou pra ela, a gente sempre comia junto, eu conheci uma travesti bombadeira, “ que aplica silicone de forma não legalizada” e passei a colocar silicone com ela, fiz algumas aplicações e minha bunda que ficou ainda maior e ficou desproporcional as minhas pernas, claro que os vizinhos reparam, o tamanho da minha bunda chamava atenção, minha então companheira decidiu que eu tinha que me montar, queria ver como eu ficaria vestido e maquiado como uma mulher, lembro que  na época eu comprei uma peruca bem vagabunda, não sabia nada sobre o assunto, tinha um vestido dela que aderia ao corpo e fizemos a montagem, ela me maquiou e me ensinou a fazer isso, tiramos fotos e tudo, ficou legal, “nascia ai a SANDRA CD”, mas aquilo mexeu comigo, nunca tinha pensado em ficar feminino, eu coloquei silicone na bunda, só que fiz formato de bunda masculina, mas estava passando por uma fazer apertada, fazendo bico de segurança pra completar a renda, o trabalho era muito puxado e o dinheiro era pouco, quando a situação melhorou, comprei uma Kombi velha e decidi que iria fazer lotação de passageiro, fiquei um ano e meio trabalhando com isso, mas a Kombi dava muitos problemas, gastava mais do que entrava e a situação voltou a ficar apertada, ao mesmo tempo que tentei experimentar a minha primeira experiência montada em publico, saímos no carnaval, eu de roupa de mulher por baixo da roupa masculina e na rua eu me montei, mas ficou tão feminino que ela pediu pra mim por a roupa de homem, ninguém vai acreditar que isso é só uma fantasia com um corpo desses”, depois resolvi ir no Casa Grande, já era frequentador de lá, mas queria ir de mulher, quando cheguei lá, o assédio foi enorme, não esperava aquilo tudo, dei muito no Dark Room, adorei aquela sensação de desejo que causei, acabei indo lá de novo no outro Sábado, foi quando andando pela Boate, passei por um casal, o cara cantando a travesti, mas ela disse que se ele quisesse era só pagando, ai ele respondeu “porra, pra te pagar eu prefiro comer aquela ali que da pra geral de graça e é mais gostosa que você”, ela veio reclamar comigo, “ por causa de bichas como você que a gente não é valorizada, fica ai dando de graça pra um monte de homens, parece que não tem orgulho próprio”, eu fiquei de bobeira, não era travesti, era apenas uma CD e ainda em começo de carreira, mas fiquei lisonjeada por ser confundida com uma travesti por outra, então chutei o balde, fui na Raquel, a travesti bombadeira, ela era considerada uma das melhores, e realmente era, faleceu uns anos depois por câncer,  “quero fazer minhas pernas por que minha bunda esta desproporcional com elas, quero fazer culote, ficar com quadril, quero corpo feminino”, Raquel na ora relutou em fazer, mas eu acabei convencendo ela, mostrando minhas fotos montada de mulher, dizendo que trabalhava já assim, mas que não era o suficiente, precisava ficar mais feminina, então a Raquel fez o que pedi e fui direto trabalhar na pista, conhecia a Augusto Severo, das vezes que ia pro Flamengo e sempre via travesti fazendo pista lá à noite, resolvi ir pra lá, sem conhecer ninguém, sem saber como tudo funcionava, quanto eu deveria cobrar e nem se ia dar certo, me sentia masculino, como CD eu apenas me montava e dava pros caras, não precisava ser feminino e no Casa Grande eles não são muito seletivos, comem quem quiser dar, basta estar de mulher, treinei gestos e vozes na frente do espelho, comprei uma peruca melhor, roupas, salto e fui, claro que no começo foi difícil, pra trabalhar na pista, tem que ter um conhecimento com alguém, tem que ter uma madrinha e eu não tinha nada, mas como sou grande e na época ainda estava muito musculosa, ninguém se atreveu a  mexer comigo, com o tempo peguei amizade e descobri como fazer tudo da maneira correta, aprendi a me maquiar melhor, a me arrumar, a andar de salto e a falar o dialeto usado por nós trans, passei a por implante e deixei o cabelo crescer, abandonando a peruca, o engraçado é que treinei tanto na frente do espelho, mas foi na pista que a Sandra pareceu, e foi natural, como se uma personalidade diferente tivesse tomado meu ser, falava diferente, pensava diferente, agia diferente, “ nascia então Sandra Backer”, de uma forma que eu não esperava, acabei me tornando duas pessoas, a simpática Sandra e o sério e mau humorado Sandro, por que sempre fui meio sisudo, ainda mais quando me sinto inseguro e perto de pessoas desconhecidas, enquanto que a Sandra, sempre simpática, tirava de letra qualquer situação parecida, no começo estranhei minha dupla personalidade, mas com um tempo a Sandra tomou forma cada vais mais marcante e conquistou seu lugar no mundo virtual, já que nem vizinhos e nem parente podiam saber da minha escolha sexual, então mantinha a Sandra viva, somente na pista e na internet.
Trabalhei bastante, as vezes ia de domingo a domingo, passava a noite toda na pista e dormia durante o dia, ganhei muito dinheiro ali, não deu pra ficar rica, mas deu pra sair do sufoco e acertar minha vida financeira novamente, mas minha ex mulher parece que surtou com a rápida evolução da Sandra, eu deixava ela livre pra receber homens e mulheres a hora que ela quisesse, independente deu participar ou não da brincadeira, o que ela fazia é claro, sempre gostei de mulheres putas e ela não ficava pra trás, só que ela começou a achar que eu me divertia de mais, “ esse viado escroto, passa a noite na pista, só pegando piru gostoso, enquanto eu fico em casa sem fazer nada”, então resolveu organizar festinhas enquanto eu trabalhava, chamava uma ou duas amigas, vários caras, e passava a noite fudendo, mas a brincadeira tinha que acabar antes das 5 da manhã, que era a hora que eu chegava, pois ela não queria que eu participasse, quando as amigas diziam pra ela deixar eu participar das festas, ela dizia que eu já me divertia de mais na pista e que aquela diversão era só dela, quando eu desistia de ir pra pista e ela estava com uma festinha marcada , ela desmarcava tudo, só pra mim não participar e nem descobrir o que ela fazia, a gente organizava festinhas as vezes em casa juntos, mas sempre dava problema e passava vergonha nas festas, por isso fazia poucas, as mulheres que iam, sempre queriam me dar, uma travesti casada com mulher, é a fantasia de muitas mulheres e eu não negava pau, comia mesmo, outra coisa que ela fazia era me comer dormindo, ela descobriu que sou sonambulo, e não acordo nem se der tapas na minha cara, ainda por cima fico obediente, ai ela passou a me esculachar mais pesado, fazia chuca em mim com uma garrafa de água” lavagem do anus por dentro”, me fistava enfiava a mão no meu rabo”, as vezes enfiava cabo de vassoura e via até quanto eu aguentava, garrafa de refrigerante, uma vez ela ameaçou a enfiar uma faca, mas minha amiga que estava com ela falou que se ela fizesse isso, que chamaria a policia, então ela não fez, não sei se foi um blefe, pra botar terror na amiga, que hoje em dia é minha esposa atual e na época estava morando de favor com a gente, passando por um faze difícil, ou se era a intenção mesmo dela, mas voltou a trás com medo de ir presa, eu tinha uma inimiga em casa e não sabia, trabalhava direto na pista, pegava gente de tudo quanto é jeito “velho, gordo, magro, feio, fedorento, sujo”, não recusava cliente, estava pagando, eu ia, passava muitas das vezes por situações terríveis, claro que também pegava gente bonita e bons de foda, mas de 10, tirava apenas 2 que eram bons, o resto era só por dinheiro mesmo, e com tudo isso ainda era acusada de estar na rua me divertindo, as vezes que eu levei ela pra passar a noite comigo na pista, ela pediu pra vir embora mais cedo, por causa do frio, da dor nas pernas de ficar a noite toda em pé e do perigo que existe ali na pista na madrugada, mesmo assim ela insistia em dizer que eu vivia me divertindo e por isso fazia o que fazia comigo, por que eu merecia, ela chegou ao ponto de fazer macumba pra mim perder o tesão nela, pois dizia que tinha nojo de mim e não queria que eu a tocasse mais, que eu só servia pra dar dinheiro pra ela e ser esculachado  enquanto dormia, ou traído enquanto trabalhava, eu fiquei mais de 6 meses sem conseguir ter relação sexual com ela, até tentava, mas minha pica não dava sinal de vida, aquilo deu um nó na minha cabeça, comecei a achar que estava virando viado de vez, por que na pista com os velhos e com os peludos, sem bunda, meu pau levantava e eu comia eles, mas em casa com ela eu não conseguia, foi quando Kelly entrou na minha vida, ela observava tudo o que acontecia no nosso relacionamento, as  festas, o coito anal enquanto eu dormia, as coisas que minha ex dizia nas minhas costas, foram poucos meses, mas o suficiente pra ela ver e se horrorizar com as coisas que acontecia e eu nem percebia, claro vivendo de baixo do mesmo teto, começamos a tranzar, mesmo por que ela vivia no mundo do swing e eu também, então pra gente isso era normal, não era traição, era tudo feito as claras, mas minha ex gostava, por que enquanto eu estava comendo a Kelly, ela não precisava se incomodar em me dar e nem deu procurar ela na  cama, só que com a Kelly eu funcionava muito bem, então comecei a perceber que não estava com problema de ereção e nem me tornando um homossexual, continuava o mesmo bissexual de sempre, nossa amizade foi ficando cada vez mais forte e um sentimento além do tesão foi aparecendo sem que notássemos, quando percebemos já estávamos apaixonados, eu vivendo um relacionamento falido, onde não rolava sexo e ainda por cima rolava falsidade e maldade, ela vivendo um outro relacionamento falido, com um cara jovem de mais, sem perspectiva do futuro e sem ambição, que ainda por cima morria de ciúmes dela com outros caras, mesmo conhecendo ela no meio do swing, resolvemos então acabar com nossos relacionamento e assumir nosso amor.
Não vou postar fotos dela aqui por que não tenho mais, deletei todas que tinha, mas vou por foto minhas na pista para marcar essa parte da minha história.
FOTOS DA PISTA





























Eu e minha ex tivemos uma briga seria, quase saiu porrada, ela me disse que tinha nojo de mim e que não via a hora deu sair da vida dela, a partir desse momento nosso relacionamento estava oficialmente desfeito, eu só precisava encontrar um lugar pra morar, ela dizia que ninguém iria me querer, que os homens só queriam me usar, e que mulher nenhuma aceitaria viver com viado como ela aceitou, mas estava enganada, eu já tinha uma pessoa que me queria na sua vida, que eu amava e que me amava também do jeito que estava, eu deixei minha ex esposa com quase tudo que eu tinha, “casa pra ela morar, Kombi pra ela ter de onde tirar seu sustento, moveis pra ela não ter que comprar”, em troca pedi apenas uma coisa, que ela me esquecesse e nunca mais me procurasse, o que ela aceitou rápido, de olho nas coisas que deixei com ela, Kelly tinha casa e disse que eu poderia morar com ela se eu quisesse, passei um tempo morando com minha mãe e aos poucos fui pegando confiança e vindo pra casa dela cada vez mais, até que fiquei de vez, mas não pense que ela que me contou o que minha ex fazia, mas mentira tem pernas curtas, comecei a encontrar uns caras na internet, que queriam sair comigo, mas como eu não posso receber assim aqui em casa, dizia pra eles isso, teria que ser um motel, só que eles diziam, “mas eu já fui ai na sua casa várias vezes”, achando que eu ainda morava lá e acabavam me contando sobre as festinhas que rolava, alguns diziam que chegavam a perguntar por mim, mas ela sempre dizia que infelizmente eu estava trabalhando e não poderia participar das festas, só as meninas que participavam da festa sabiam que eu não sabia de nada, fui juntando os pedaços e descobrindo as coisas, uma amiga na pista com quem tenho grande amizade, uma vez conversando sobre o termino do meu casamento, desabafei e falei sobre as festas que rolavam lá em casa enquanto eu vinha pra pista trabalhar, ela falou ”bom mona, eu não ia falar nada, mas já que você já sabe e vocês já terminaram mesmo, eu sei disso e de muito mais, sua mulher cansou de me ligar pra dizer que ia fazer festinhas, que ia receber tantos homens em casa, as vezes ligava pra dizer como a festa rolou, quantos foram, pra quantos ela deu, por isso que ela dormia o dia inteiro, por que passava a noite dando pros caras, falava que te comia dormindo por que você era sonambulo e não acorda por mais que ela te esculachasse,  testava seus limites pra ver se assim você iria acordar, em fim, eu sei de tudo, ficava horrorizada com a situação, só nunca te falei, por que acho que em um relacionamento de duas pessoas a gente não deve se meter, se não acaba sendo a vilã da história e eu preferia ter sua amizade a perder por que tentei te ajudar, mas já que você já sabe...”, quando contei tudo que minha amiga Pamela me disse na pista, kelly terminou de me contar o resto da história, e quem eram as pessoas que sabiam o que eu estava passando, estou contando isso tudo pra ninguém achar que Kelly foi uma safada e me roubou da minha ex, a ex sim era uma safada e  não merecia nada do que eu fiz ou deixei pra ela, gente da pior qualidade, mas é passado, como todos sabem, hoje em dia estou com a Kelly, feliz com minha família, não temos um relacionamento perfeito, ela tem ciúme de algumas mulheres e até de alguns homens, eu também tenho ciúmes dela as vezes, mas respeitamos um ao outro e o mais importante, nos amamos muito e estamos lutando pra que nada e nem ninguém possa tirar isso da gente, sei que essa não foi uma historia sexy, teve seus picos de sensualidade, talvez nem muito interessantes, um pouco maçante pelo tamanho do texto, mas esse é o PERCURSO resumido da minha vida, muitas coisas, muitas aventuras eu não relatei aqui, por que não me lembrei na hora que estava escrevendo, ou por que iria aumentar ainda mais esse enorme texto, mas espero que tenha saciado a curiosidade de muita gente, do por que eu sou assim, SANDRA BACKER, um travesti diferente não melhor, mas singular a tudo que vocês já viram, talvez assim os que duvidem das coisas que digo, que faço e gosto, possam entender o por que sou assim e finalmente acreditar, bjs a todos.

Fotos das outras travesti